2ª etapa do Plano de Contingência para controle do sarampo começa na próxima segunda, em Manaus

Serão intensificadas as ações de oferta da vacina, com visita de casa em casa, em bairros considerados prioritários, em escolas e universidades, além de reforçar a imunização nas Unidades de Saúde

Com informações da assessoria / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Durante reunião com representantes do Ministério da Saúde, realizada nesta quinta-feira (12), a Prefeitura de Manaus apresentou o atual cenário epidemiológico do sarampo no município e as ações que serão desenvolvidas na segunda etapa do Plano de Contingência para o controle da doença, que deve ter início na próxima segunda-feira (16).

O encontro técnico ocorreu na sede da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), no bairro Colônia Santo Antônio, zona Norte, com a participação de representantes das secretarias municipal e estadual de Saúde (Semsa e Susam), da Secretaria Nacional de Vigilância, Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e do Programa Nacional de Imunização (PNI).

Ações que serão desenvolvidas na segunda etapa do Plano de Contingência para o controle do sarampo foram apresentadas nesta quinta-feira (12) pela Prefeitura de Manaus. (Foto: José Nildo/Semsa)

Segundo o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, a reunião foi realizada para alinhar as ações de combate ao sarampo em Manaus e no Amazonas, avaliando as responsabilidades do município, do estado e do Governo Federal na execução das estratégias.

“A nova etapa do plano de combate ao sarampo em Manaus vai envolver Semsa, Susam e Ministério da Saúde. Serão intensificadas as ações de oferta da vacina, com visita de casa em casa, em bairros considerados prioritários, em escolas e universidades, além de reforçar a imunização nas Unidades de Saúde. O fortalecimento das parcerias é fundamental para o sucesso das ações de combate ao sarampo”, afirmou Marcelo Magaldi.

Para o secretário estadual de Saúde, Francisco Deodato, o mais importante, nesse momento, é a integração das ações e a união dos esforços. “Governo e Prefeitura de Manaus vêm trabalhando juntos, desde o primeiro momento, cada um fazendo a sua parte, mas alinhados na estratégia. Em todos os municípios do interior, onde há registro de casos, a FVS vem atuando com medidas de controle e supervisão das ações em nível local, treinamento e capacitação dos agentes de saúde para a situação. Mas, agora, temos um novo cenário, que é a expansão da doença, principalmente numa faixa etária que não é mais somente de crianças, como aconteceu no primeiro momento”, ressaltou.

O presidente da FVS, Bernardino Cláudio de Albuquerque, esclareceu que a principal estratégia de combate à doença é a imunização da população, assim como o monitoramento permanente da evolução dos casos. “O Amazonas tem 35 municípios com notificações de sarampo, sendo que 15 deles notificaram apenas um caso, ou seja, não houve reprodução e são casos importados. Entretanto, temos municípios com desenvolvimento de surto, como Manacapuru. Outros municípios têm registrado em torno de nove e dez casos, com contenção da doença”, pontuou.

Além de Manaus, que tem 317 casos confirmados da doença, outros 34 municípios do Amazonas notificaram casos suspeitos de sarampo. No total, o Amazonas apresenta 3.367 casos notificados, sendo que 2.660 foram notificados em Manaus e 561 no município de Manacapuru. Segundo informações do Boletim Epidemiológico de Sarampo do Amazonas, divulgado pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), nesta quarta-feira, 11, não houve confirmação de casos nos municípios do interior. Manaus tem 2.225 casos sob investigação e aguardando resultado laboratorial e 679 casos suspeitos estão sendo investigados em outros municípios do Amazonas.

Comitê de Operações de Emergência

Após a apresentação das novas estratégias de combate ao sarampo em Manaus e no Amazonas, o secretário nacional de Vigilância em Saúde, Osnei Okumoto, informou que o Ministério da Saúde montou um Comitê de Operações de Emergência, que irá apoiar os estados com registro de casos da doença, o que inclui o Amazonas, Roraima, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, conforme as particularidades de cada município, desde o início da investigação até o encerramento dos casos.

“Estou otimista em relação aos planos de combate ao sarampo que foram apresentados pela Prefeitura de Manaus e o Governo do Amazonas, porque o Ministério da Saúde está com todos os insumos disponíveis para dar andamento na realização dos exames laboratoriais, o que é necessário para o encerramento dos casos”, garantiu Osnei Okumoto.

A vacina contra o sarampo, a tríplice viral, está disponível em 183 salas de vacina na rede de saúde em Manaus, tendo como público alvo pessoas na faixa etária de seis meses a 49 anos.