Cema recebeu mais de 545 itens de medicamentos desde o início do ano

As informações sobre itens e quantidades estão nas planilhas disponibilizadas pelo coordenador do órgão, Antônio Paiva, aos deputados estaduais Wilker Barreto e Dermilson Chagas, que estiveram na unidade, na última sexta-feira (1º)

Manaus – A Central de Medicamentos do Amazonas (Cema) recebeu, entre 1º de janeiro e 28 de fevereiro deste ano, mais de 545 itens para o abastecimento de seus estoques. As quantidades adquiridas são para estoque de três meses. São medicamentos e produtos para a saúde comprados pelo governo do Estado através das Atas de Registro de Preço que existem na Comissão Geral de Licitação (CGL). As informações sobre itens e quantidades estão nas planilhas disponibilizadas pelo coordenador do órgão, Antônio Paiva, aos deputados estaduais Wilker Barreto e Dermilson Chagas, que estiveram na unidade, na última sexta-feira (1º).

As quantidades adquiridas são para estoque de três meses (Foto: Roberto Carlos/Secom)

Segundo Paiva, dos 1.600 produtos do padrão da Cema, cerca de 900 possuem ata e está sendo providenciada a aquisição para o período de três meses. Os demais, estão sendo adquiridos de forma emergencial. Apesar dos esforços dispensados pelo governo, que elegeu o abastecimento de medicamentos, PPS (produtos para saúde) e o pagamento de mão de obra terceirizada como as prioridades desse início de gestão, a normalização imediata do abastecimento, encontrado em estado crítico, esbarra na burocracia e na logística de transporte entre o Amazonas e o Sul do País de onde vem os produtos.

O prazo mínimo para a entrega dos produtos costuma ser em torno de 25 dias uma vez que a maior parte dos medicamentos vem por via terrestre. “Muitos produtos a gente pede num quantitativo menor, via frete aéreo, que é mais oneroso, apenas para segurar a vinda do terrestre, mas o consumo exagerado por conta de festas de carnaval, surto gripal, tem esgotado nossos estoques antecipadamente”, disse o coordenador.