Criança atravessava rua para seguir avó quando foi atropelada, dizem testemunhas

Menina de 1 ano morreu atropelada por um caminhão, na manhã desta quinta-feira. Segundo vizinhos, a avó e o motorista não perceberam a movimentação da criança

Édria Caroline / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Identificada apenas como ‘Sofia’, a menina de um ano e quatro meses que morreu atropelada por um caminhão, na manhã desta quinta-feira (17), teria ido atrás da avó no momento do acidente, segundo testemunhas. O motorista do veículo foi detido pela polícia após o atropelamento.

O motorista Manoel Silva, 32, que testemunhou o acidente, contou que o caminhão andava de ré no momento do atropelamento. “Ele (caminhão) estava vindo lá do final da ladeira, só que ninguém se preocupou porque estava longe. Foi quando a avó dela atravessou e ela veio atrás e o caminhão bateu nela”, relatou.

Atropelamento aconteceu na comunidade Santa Inês (Foto: Édria Caroline/Divulgação)

Manoel ainda acredita que o motorista, identificado como Luan da Cruz Gomes, não viu a criança, já que ele continuou dirigindo. “Ele estava de ré, não dava para ver. Depois que bateu na Sofia, ele continuou dirigindo, porque não viu. Foi quando começamos a gritar, pedindo pra ele parar, porque tinha uma criança debaixo da roda do caminhão dele”, afirmou.

Outra testemunha, uma vizinha da vítima, que pediu para não ter o nome divulgado, disse que a criança estava tomando banho em uma bacia, minutos antes do atropelamento. “Ela estava em uma bacia, em frente à casa da pastora (avó), tomando banho. Foi justamente no momento em que a mãe dela entrou na casa para pegar a toalha, que ela saiu e atravessou a rua”, disse a vizinha.

Manoel também contou que pediu para o motorista ficar no carro, já que populares queriam agredi-lo. “Ele ficou bem nervoso, assustado, repetindo a todo momento que não tinha matado ninguém. Desesperado mesmo com a situação, então pedi para que ele ficasse no carro até a polícia chegar”, disse o vizinho.

O motorista afirmou que, após o atropelamento, a mãe da criança, identificada apenas como ‘Sabrina’, ficou em estado de choque. “Ela ficava gritando o nome da Sofia, que era pra ela ir almoçar, que o almoço estava pronto. Ela entrou em desespero”, afirmou.

O motorista do caminhão foi encaminhado à Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) para prestar esclarecimento. No Instituto Médico Legal (IML), que foi acionado para realizar a remoção do corpo, a reportagem não encontrar familiares, para falar sobre o caso.