Empresa de formatura é saqueada; formandos dizem que donos estão sumidos

Cada formando pagou à empresa, parceladamente, de R$ 4 mil a R$ 5 mil. O valor arrecadado pela Carlitos Formatura, por oito turmas, chega a um montante de R$ 1 milhão

Édria Caroline / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Oito turmas de formandos, representadas por suas respectivas comissões, encontraram a Carlitos Formatura, na Rua Carlos Lacerda, bairro Adrianópolis, zona centro-sul da cidade, saqueada, na manhã desta segunda-feira (16). A empresa, que segundo os formandos pertence a Diogo Aguilar e Rodrigo Aguilar e tinha sido contratada pelos alunos para serviços de formatura, havia pedido aos universitários para que as festas fossem adiadas, alegando dificuldades financeiras.

De acordo com a formanda do curso de Farmácia, Mara Vasconcelos, a empresa reuniu com a comissão dela no dia 13 de março, quando foram informados pelos responsáveis da empresa que não havia dinheiro em caixa para a realização das festas. “Nós íamos pedir as fotos e pressionar para fazerem pelo menos o nosso baile, mas nem deu tempo”, diz.

Já para o formando do curso de Engenharia Civil, Ericson Araújo, os proprietários da empresa teriam afirmado que precisaram utilizar o dinheiro pago por eles para sanar dívidas administrativas. “Nossa formatura seria no dia 7 de abril, mas eles reuniram com a gente e falaram que não tinham dinheiro e que iriam postergar a data para o dia 2 de junho, mas sem garantias. Se eles conseguissem o dinheiro, fariam. Se não conseguissem, não teriam como devolver o dinheiro e abririam falência”, afirmou o formando.

A formanda do curso Administração, Andressa Maciel, conta que foi até a empresa, na última terça-feira (10), para cobrar as fotos dela e dos outros colegas de turma que já haviam sido feitas. “Durante toda a semana ele ficou falando comigo, confirmando que hoje (segunda-feira, 16) nos entregariam as fotos, que o fotógrafo já estava trabalhando nelas e que estava tudo certo. Aí, quando cheguei no local, não tinha mais nada e já estava assim, tudo destruído. Agora, nenhum dos donos atende as ligações e até as redes sociais excluíram”, conta Andressa.

Cada formando pagou à empresa, parceladamente, de R$ 4 mil a R$ 5 mil. O valor arrecadado pela empresa pelas oito turmas chega a um montante de R$ 1 milhão.

Em nota publicada em sua página no Facebook, no dia 9 de abril, a empresa Carlitos Formaturas afirmoui que “devido a recessão econômica que o nosso País vem sofrendo nos últimos anos, o faturamento da empresa sofreu uma queda constante devido as baixas vendas do Setor Comercial principalmente na área de Colação de Grau para a fomentação do caixa circulante. O nosso segmento de eventos vem sofrendo com a dificuldade financeira do nosso consumidor final e com isso o mercado trouxe uma instabilidade financeira/comercial de todos os contratos”.

Além de afirmar que a inadimplência por parte dos clientes teria causado um prejuízo de R$ 4 milhões à empresa, “a direção não está medindo esforços para que tudo seja resolvido o mais breve possível e irá comunicar a todos os seus clientes os futuros acontecimentos”.

A equipe de reportagem da Rede Diário de Comunicação (RDC) tentou entrar em contato com os proprietários da Carlitos Formatura, mas não obteve resposta. Os formandos informaram, ainda, que iriam prestar queixa por estelionato, mas até a publicação desta matéria a informação não havia sido confirmada.