Hospital de Lábrea improvisa balde como incubadora para tentar salvar recém-nascido

O hospital não possui incubadora e um balde cortado foi improvisado para tentar salvar o bebê que nasceu com problemas cardíacos, mas não resistiu

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Um bebê recém-nascido morreu, no último sábado (10), no município de Lábrea (a 702 quilômetros a sudoeste de Manaus). O Hospital Regional de Lábrea não possui incubadora e um balde cortado foi improvisado para tentar salvar o bebê que nasceu com problemas cardíacos. O caso foi denunciado pelo Jornal do Amazonas – 2ª edição, da Rede Amazônica.

O hospital não possui incubadora e um balde cortado foi improvisado para tentar salvar o bebê. (Foto: Divulgação)

O médico responsável pelo parto diagnosticou a criança com problemas cardíacos, então foi solicitado o serviço de UTI aérea para a transferência, mas a criança não resistiu até a chegada da aeronave e morreu.

A REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde (Susam), que informou, em nota, que a direção do hospital abrirá uma sindicância para apurar as responsabilidades no caso. Segundo a secretaria, a unidade está em processo de aquisição de uma incubadora.

Em janeiro de 2016, um caso semelhante foi registrado no município de Jutaí (a 751 quilômetros a oeste de Manaus), onde um casal de gêmeos utilizaram máscaras de oxigênio improvisadas com garrafa PET e um dos bebês, uma menina, faleceu poucas horas após o nascimento.

O relatório da inspeção feita no Hospital de Jutaí mostrou que a unidade possuía máscaras de oxigênio em estoque, mas não no tamanho apropriado para atendimento a bebês prematuros.