‘Manaus está sob ataque. Ninguém tem segurança’, diz Arthur sobre violência na capital

Declaração foi dada na tarde desta sexta-feira (14). Conforme dados, mais de duas mil ocorrências foram registradas, este ano, entre furtos, roubos, assaltos à mão armada e com reféns em unidades geridas pela prefeitura

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O prefeito Arthur Virgílio Neto decretou situação de emergência em relação à violência urbana na capital. O decreto inclui o levantamento de dados sobre a falta de segurança. Conforme a Prefeitura de Manaus, mais de duas mil ocorrências foram registradas, este ano, entre furtos, roubos, assaltos à mão armada e com reféns em unidades de saúde, educação, transporte e assistência social geridas pela prefeitura.

Arthur Neto anunciou que vai denunciar a situação de emergência, pela falta de segurança, à Organização das Nações Unidas (ONU). (Foto: Yago Frota/Divulgação)

O decreto deve sair na próxima segunda-feira (17) no Diário Oficial do Município (DOM), segundo informou o procurador geral de Manaus, Rafael Albuquerque. Pelo decreto, segundo o procurador, a Prefeitura torna, formalmente público, que Manaus está sofrendo com a falta de segurança e que a violência está impedindo o acesso da população aos serviços de saúde, educação e assistência social. “Nós vamos coligir dados e relatórios semanais e mensais e enviá-los às autoridades, sobretudo aos Ministérios Público Estadual e Federal para que possamos, através das forças de Estado, adotar medidas que possam coibir essa situação lamentável de insegurança”, disse Albuquerque.

O prefeito anunciou que vai denunciar a situação de emergência, pela falta de segurança, à Organização das Nações Unidas (ONU) e Organização dos Estados Americanos (OEA). “Manaus está sob ataque, algo muito grave. Não há nenhuma providência do governo do Estado. Ninguém tem segurança”, denunciou o prefeito.

Arthur denunciou que o governo do Estado não age com boa fé para com o povo de Manaus. “Lamento que a gente tenha um governo completamente inerte. O interesse eleitoral não pode estar acima do bem estar das pessoas”, afirmou Arthur.

Conforme a Prefeitura de Manaus, em agosto, o prefeito se reuniu com o ministro da Justiça, Raul Jungmann, para debater o clima de violência da cidade. Na época, os números de ocorrências em órgãos municipais já eram superiores a 1,8 mil, prejudicando o pleno funcionamento desses serviços e levando prejuízos à população que fica sem atendimento.

SSP-AM

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), classificou as declarações do prefeito como políticas e disse que, “desde outubro de 2017, a nova gestão da Segurança Pública no Amazonas reorganizou o setor”. Segundo a SSP, a “segurança pública deve fechar com o maior orçamento em pelo menos dois anos (R$ 1,6 bilhão). A pasta promete, também, “melhorar a estrutura de unidades policiais, modernizar todo o parque computacional das delegacias da capital e interior e adquirir equipamentos, como motos e embarcações policiais para melhorar o trabalho policial e o combate ao tráfico de drogas nos rios”.

***Matéria atualizada neste sábado, às 12h, com a nota da SSP.