.

Michel Temer nomeia o novo reitor da Ufam

Primeiro colocado na consulta à comunidade acadêmica, realizada em dois turnos, no mês de março, Sylvio Mário Puga Ferreira foi confirmado pela presidência da República no cargo

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Puga é formado em Ciências Econômicas pela Ufam e pós-doutor em Economia pela Unicamp (Foto: Raquel Miranda)

Manaus – O presidente da República, Michel Temer (PMDB) nomeou o professor Sylvio Mário Puga Ferreira reitor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). O Decreto de nomeação foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira, 16 de junho. O mandato de Puga e do vice-reitor Jacob Cohen, eleitos pela comunidade universitária com 50,38% dos votos, é de quatro anos e inicia no próximo dia 1º de julho.

Formado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e pós-doutor em Economia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Sylvio Puga disse, em entrevista à REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC), publicada na edição do dia 12 de março do DIÁRIO, que irá implementar um plano de saúde público para os servidores da Ufam. “Vai funcionar da seguinte forma, se alguma pessoa da comunidade precisar ir ao HUGV (Hospital Universitário Getúlio Vargas) ou do Francisca Mendes, que são hospitais que estão integrados a nós, elas bastam apresentar sua carteira profissional e elas terão um setor para o atendimento. Outras universidades fazem isso, que é o caso de Viçosa e do Rio Grande do Sul”, explicou.

Na mesma entrevista, Puga disse como pretende conter a evasão estudantil e retenção, também conhecida como desperiodização. “Nós temos uma proposta de trazer os professores aposentados que gostariam de atuar em tutorias. Para acompanhar as dificuldades dos alunos. Uma possibilidade que pode ser conversada é a abertura de mais vagas nos períodos noturnos para que os alunos que trabalham não abandonem os cursos. Mas isso tem que ser conversado com os cursos e com o MEC”.

Outro assunto abordado por Puga na entrevista foi a busca por parcerias em outras instituições. “Temos que trabalhar com recurso além do orçamentário, apresentar projetos para todas as esferas para a captação de recursos, na esfera municipal e federal, inclusive para o exterior.  Porque existem fundações no exterior que querem financiar principalmente na Amazônia. Nós faremos uma atuação muito decisiva para captar recursos”.

Por fim, Puga explicou como pretende ampliar as bolsas aos alunos da Ufam, mesmo com os cortes no orçamento. “Na medida que nós trouxermos esses recursos orçamentários, de fora, isso vai ajudar várias áreas da faculdade. E podemos fazer uma locação dos nossos recursos internos da faculdade para fazer esse fomento à assistência estudantil. Precisamos reduzir nossas despesas para, não somente ampliar e manter essas bolsas, como estudar a elevação dos valores dessas bolsas”, concluiu.