Casal de pastores é preso suspeito de estuprar menina de 9 anos, em Caapiranga

De acordo com a polícia, casal foi indiciado por estupro de vulnerável, indução a satisfazer a lascívia de outrem e corrupção de menores. Crime aconteceu em 2017

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O casal de pastores evangélicos Raimundo de Souza Pena, 68, e Edna Castro da Silva, 58, foi preso na manhã desta quarta-feira (10), em cumprimento a mandado de prisão preventiva, por suspeita de estupro de uma menina de nove anos. O crime aconteceu em julho de 2017, em Caapiranga (a 134 quilômetros a oeste de Manaus), conforme informações da assessoria de imprensa da Polícia Civil (PC).

Casal de pastores vai permanecer à disposição da Justiça, na carceragem da delegacia, em Caapiranga. (Fotos: Divulgação/PC)

A pessoa que denunciou o estupro à polícia encontrou um cartão de memória para celular e, ao analisar os arquivos contidos no cartão, achou vídeos e imagens do estupro, de acordo com informações do gestor da 32ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP), investigador da PC, Francival Galvão.

Com o apoio do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) do município, a polícia disse que conseguiu ouvir a criança e, a partir do relato da vítima, identificou os suspeitos.

Segundo o investigador Francival Galvão, o crime aconteceu no dia 24 de julho de 2017. No dia do delito, Edna, que é pastora da igreja evangélica que a criança frequenta, convidou a menina para limpar a casa dela, oferecendo em troca um tablet e uma bicicleta. A vítima aceitou e, em determinado momento, acabou ficando apenas com Raimundo na casa. O pastor aproveitou a ocasião para consumar o estupro.

Raimundo e Edna foram indiciados por estupro de vulnerável, indução a satisfazer a lascívia de outrem e corrupção de menores. O casal estava com mandado de prisão em aberto desde a última segunda-feira (9), expedido pelo juiz Geildson de Souza Lima, da Comarca de Caapiranga. A assessoria de imprensa da PC informou que o casal de pastores vai permanecer à disposição da Justiça, na carceragem da delegacia, que funciona como unidade prisional em Caapiranga.