Corpos encontrados empilhados no Ramal do Brasileirinho são identificados

Um empresário, o motorista dele e um colombiano foram identificados como as vítimas. Dívida de R$ 70 mil, de agiotagem, pode ter motivado os crimes

Carla Albuquerque / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A Polícia Civil identificou como sendo do empresário Carlos Alberto Maia da Silva, 24, do motorista dele Ney Vilar de Souza, 39 e do colombiano Jhon Jairo Lopez Naranjo, 42, os corpos encontrados, na manhã desta sexta-feira (11), no Ramal do Brasileirinho, na zona leste de Manaus.

O irmão de Carlos, Claiton Maia, 30, informou em Boletim de Ocorrência (BO) registrado na Delegacia Especializada em Homicídios (DEHS) que a suspeita é de que o crime foi praticado por um homem identificado como ‘Ceará’. O suspeito, segundo o documento, devia cerca de R$ 70 mil, a Carlos, que de acordo com o irmão dele, trabalhava como empréstimos financeiros (agiotagem).

Os corpos foram encontrados na manhã desta sexta-feira (Foto: Raquel Miranda)

Conforme o BO, Cleiton informou que, segundo a mulher do irmão, Carlos havia emprestado o dinheiro a Ceará. Segundo o registro, no último dia 3, o suspeito ligou para o empresário e marcou encontro para que pudesse pagar a dívida. No entanto, Carlos mandou o motorista ir ao local, mas o suspeito disse que só iria entregar o dinheiro ao credor.

Na última quinta-feira, segundo o documento, Carlos recebeu, por volta das 16h, uma ligação de Ceará, marcando novo encontro para efetuar o pagamento dos R$ 70 mil. O encontro foi marcado na feira da Panair, na zona sul de Manaus.

Segundo o documento, o colombiano, que havia procurado Carlos porque queria fazer um empréstimo foi convidado pelo empresário para ir ao encontro. Após o telefonema, o trio saiu para ir encontrar com Ceará e não retornou.

Os familiares informaram que souberam que o trio havia sido assassinado, após terem visto na imprensa a notícia sobre a localização dos corpos. Carlos, Ney e John foram encontrados empilhados, no Ramal do Berê, no quilômetro 6, do Ramal do Brasileirinho, zona leste de Manaus.

Na tarde desta sexta-feira, familiares das vítimas estiveram no Instituto Médico Legal (IML). Questionados sobre o crime, os familiares não quiseram falar sobre o assunto.



SIGA-NOS NAS NOSSAS REDES