Corpos fuzilados encontrados perto do Compaj são de detentos do semiaberto

Corpos foram identificados como sendo de Erbeson Braz da Silva e Gracivaldo de Melo Garcia. Família suspeita que eles foram torturados e mortos pela polícia

Carla Albuquerque / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Foram identificados como sendo dos detentos do regime semiaberto Erbeson Braz da Silva, 22, e Gracivaldo de Melo Garcia, 35, os corpos encontrados, na tarde da última quarta-feira (10), em um ramal da Rodovia BR-174, próximo ao Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj). De acordo com a polícia, a dupla foi executada com, ao menos, 17 tiros de fuzil calibre 556.

Na manhã desta quinta-feira (11), o pai de Erbeson, de 46 anos, falou que a família suspeita de que o filho foi morto pela polícia. “Eu não acredito que essas mortes foram praticadas por brigas de facção mesmo porque meu filho ia e voltava todos os dias para o presídio e nunca tinha nos relatado problemas com outros presos”, disse.

Corpos foram encontrados na tarde da última quarta-feira (Foto: Sandro Pereira)

Ainda segundo o pai, Erbeson, que cumpria pena no regime semiaberto no Compaj por roubo, tinha autorização para trabalhar fora e atuava como taxista. Segundo ele, o filho foi visto e deixado por um familiar no Terminal da Matriz, no Centro, por volta das 22h da última terça-feira.

“Quando foi umas 22h30, ele me mandou mensagem e informou que já havia chegado ao presídio. Estávamos confiante de que ele tinha chegado lá. Vamos buscar explicações da polícia para que descubra o que aconteceu com ele”, disse.

A família de Gracivaldo, que também era detento do mesmo regime de Erbson, não foi localizada pela reportagem. No site do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) consta que Gracivaldo respondia a processos por Crimes do Sistema Nacional de Armas.

A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM) informou, por meio de nota, que os cadáveres estavam com perfurações de munições de fuzil. Conforme o delegado da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Rodrigo Azevedo, este armamento não é utilizado pelas forças públicas, bem como as polícias Civil e Militar. Azevedo ressaltou, ainda, que o caso está sendo investigado pela DEHS.

Mortes

Erbeson e Gracivaldo foram encontrados mortos, na tarde da última quarta-feira, no Ramal do Areal, localizado no quilômetro 10, da BR-174. De acordo com informações da polícia, eles foram torturados e mortos com tiro de fuzil que atingiram principalmente a cabeça e pernas.

***Matéria atualizada às 16h30, com a resposta da PC-AM.