Ela atraiu o marido para uma cilada, diz delegado sobre assessora parlamentar

Segundo a polícia, Elcilane Silva Souza, conhecida como Nega, planejou matar o empresário Emerson Pinto dos Reis com medo do divórcio

Stephane Simões/ redacao@diarioam.com.br

Elcilane Silva Souza e Alexandre Cavalcante dos Santos estão presos (Foto: Stephane Simões)

Manaus – “Ela atraiu o marido para uma cilada e demonstra ser uma pessoa extremamente fria, em nenhum momento mostrou estar arrependida”, disse o delegado delegado e diretor-adjunto do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), Thomaz Vasconcelos, sobre a assessora parlamentar Elcilane Silva Souza, 36, conhecida como Nega, que foi presa, com Alexandre Cavalcante dos Santos, 33, o Caverna, pelo homicídio do empresário Emerson Pinto dos Reis, 38, na noite do dia 10 de abril deste ano, na residência do casal, localizada na Rua Rio Branco, bairro São Raimundo, zona oeste da cidade.

De acordo com Vasconcelos, Emerson e Elcilane estavam casados há 23 anos. Ele contou que, na ocasião do crime, Alexandre e mais dois comparsas, um adolescente de 17 anos e um jovem identificado como Carlos Haroldo da Conceição Lopes, 23, o Eduardo, entraram na residência do casal a mando da mulher. O delegado disse, ainda, que, neste dia, Elcilane esteve na Invasão Coliseu para planejar o crime.

Ainda de acordo com o delegado, a assessora parlamentar levou os autores do crime para o quarto do casal e indicou os locais onde eles deveriam se esconder. Elcilane, conforme Vasconcelo, foi buscar o marido no trabalho e, ao retornar para casa, o atraiu para quarto, onde o empresário foi atacado por Alexandre, que o segurou pelo pescoço enquanto os outros suspeitos desferiram mais de 20 facadas pelo corpo de Emerson.

“Uma das motivações do crime seria uma disputa patrimonial. Elcilane esperava que Emerson fosse pedir o divórcio e ela queria ficar com a casa”, acrescentou o delegado.

Durante a ação, Emerson chegou a pedir pela sua vida, conforme afirmou o delegado. A vítima chegou a dizer para Alexandre que eles eram irmãos, se criaram juntos e pediu para ele não fazer isso. O empresário ainda apelou para a mulher, dizendo que não entendia o motivo do crime e que ele a amava. Elcilane atacou o marido com vários chutes no rosto.

Após a morte de Emerson, Elcilane pediu que esquartejassem o marido e colocassem dentro de duas malas, conforme afirmou o delegado. Ela ficou cerca de cinco horas dentro da casa, quando resolveu ligar para uma amiga e pediu que ela fosse até a sua residência.

“Ela chamou a amiga para ajudar a se livrar do corpo. Quando essa amiga chegou lá, Elcilane trancou o portão e contou que havia matado Emerson e que precisava da ajuda dela para se livrar do corpo. Ela afirmou que ficou com medo de ser a próxima vítima e se viu sem saída”, afirmou.

A delegada Catarina Torres, da Delegacia Especializada de Ordem Política e Social (Deops), afirmou que as investigações iniciaram pelas buscas de Emerson, que estava desaparecido. Conforme a delegada, depois do desaparecimento de Emerson, Elcilane foi até o Deops para informar que o companheiro não estava atendendo ao telefone. “Ela afirmou que ele havia saído de casa após um desentendimento de casal”, disse a delegada.

O corpo de Emerson foi encontrado no dia 10 de agosto, em uma cova rasa, no Ramal do Brasileirinho. Assim como a faca, as malas e o veículo utilizado por Elcilane foram encaminhados para a perícia.

Na apresentação na Delegacia Geral, na manhã desta segunda-feira (25), Elcilane alegava ser inocente e que não estava em casa no momento do crime. Alexandre ficou irritado com a declaração da assessora e disse que ela era a mandante do crime.

O irmão de Emerson, identificado apenas como Augusto, 33, também esteve na apresentação e falou em nome da família. “Ela era uma pessoa que não demonstrava isso. Após o desaparecimento do meu irmão, ela ficava inventando coisas, dizendo que ele tinha viajado, que tinha saído”, disse.

Alexandre foi preso no último dia 10 de agosto, em Manaus. Carlos foi preso no dia 23 de agosto, em Santarém, no Pará. Elcilane se apresentou espontaneamente na última sexta-feira (22), na Delegacia Geral, para prestar esclarecimentos sobre o caso. O adolescente envolvido no caso foi apreendido no dia 11 de agosto e encaminhado para a Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (Deaai).