Em BO, publicitário diz que foi ameaçado por motorista de aplicativo após discussão política

Denúncia foi registrada no 23º DIP. No relato, o homem diz que estava sentado no banco de trás do carro e que o motorista o puxou pelo braço e o ameaçou de morte

Filipe Távora / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O publicitário Eloi Capucho, 28, registrou um Boletim de Ocorrência (B.O) no 23º Distrito Integrado de Polícia (DIP), em que diz ter sido ameaçado de morte após uma discussão política, na manhã desta segunda-feira (8). No relato, ele diz que estava sentado no banco de trás de um carro dirigido por um motorista de aplicativo e que o condutor o puxou pelo braço e o ameaçou. “Ele disse: ‘Cala a boca, senão eu te jogo desse carro aqui, agora. Eu te mato'”, disse, à REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC).

O publicitário Eloi Capucho fez BO, em que diz ter sido ameaçado pelo motorista de um aplicativo, durante uma discussão sobre política (Foto: Arquivo pessoal)

À reportagem, Eloi disse que costuma usar os serviços do aplicativo para ir ao trabalho e voltar para casa. Nesta segunda-feira, ele entrou no carro de um motorista identificado como ‘Oziel’, por volta das 8h40.

Segundo o publicitário, o agressor não parecia agressivo, inicialmente, mas teria feito ameaças depois que os dois começaram a discutir sobre política. “Sempre, os motoristas tentam conversar com a gente para serem simpáticos. Foi quando ele me pediu a minha opinião sobre o atual cenário político do País”, contou.

De acordo com Eloi, a discussão começo depois que ele manifestou oposição a Jair Bolsonaro, candidato que concorre à presidência da República, no segundo turno das eleições. “Ele atacou com discursos de ódio, dizendo que homem nasce homem e mulher nasce mulher e que gay tem que morrer mesmo”, relatou.

Ainda segundo Eloi, ‘Oziel’ também afirmou que os casos de suicídios entre homossexuais ocorrem por causa de relacionamentos afetivos frustrados e por causa de mudanças de corpos, no caso dos transexuais e transgêneros. “Nesse momento, eu pedi para que ele me respeitasse, porque ele estava com um discurso muito retrógrado e que ele cumprisse apenas o dever dele, que era ser meu motorista naquele momento”, disse Eloi.

Conforme o publicitário, ‘Oziel’ O puxou pelo braço e, em seguida, ameaçou jogá-lo do carro.”Eu pedi para que ele me soltasse e ele falou que ia me matar”, afirmou. O publicitário disse que abriu a porta, com o carro em movimento, o que fez com que o motorista parasse o veículo.

Eloi contou que correu para um posto próximo e chamou outro carro carro pelo aplicativo, para poder chegar à agência de publicidade onde trabalha. “Eu estava em estado de choque. As pessoas aqui [do trabalho] que me ajudaram na delegacia e me levaram até a delegacia, para que eu registrasse um Boletim de Ocorrência”, disse.

O publicitário pretende processar tanto o agressor quanto a empresa de aplicativo. Ainda de acordo com Eloi, ‘Oziel’ estava tremendo e apresentava tiques nervosos durante a discussão. A reportagem aguarda uma nota da Uber sobre o caso.

Conforme a Polícia Civil (PC), o caso segue em andamento.