Estudante não entrega celular a assaltantes e é morto a tiros, em Manaus

John Kenned Lira da Costa, 21, morreu, nesta segunda-feira (14), três dias depois de ser baleado por um casal de assaltantes, que estava com uma criança

Girlene Medeiros/ redacao@diarioam.com.br

Manaus – Três dias após reagir a um assalto à mão armada e ser baleado na cabeça, o estudante John Kenned Lira da Costa, 21, morreu, na tarde desta segunda-feira (14). Ele foi ferido por um casal de assaltantes, acompanhados de uma criança, em uma moto, na zona leste de Manaus. “Trocou a vida por um celular”, lamentou o pai do estudante, o pedreiro Januário Vasconcelos da Costa, 58, que trabalhava junto com o filho. O caso está sendo investigado como latrocínio (roubo seguido de morte), pela Polícia Civil (PC).

O caso está sendo investigado como latrocínio (roubo seguido de morte), pela polícia. (Foto: Jimmy Geber)

O crime ocorreu na noite de sexta-feira (11), quando John voltava para casa, na companhia de uma amiga, na Rua 11, no bairro Jorge Teixeira 4, zona leste. Um casal em uma moto, passou pela dupla e retornou. O homem saltou da moto, sacou uma arma e anunciou o assalto. A moto era pilotada pela mulher, que carregava uma criança na parte frontal do veículo.

Segundo Januário, a testemunha do crime, que não teve o nome divulgado, entregou o celular assim que o assalto foi anunciado, mas John reagiu ao roubo. Ele não quis entregar o celular ao assaltante, que atirou duas vezes em direção ao jovem. O pedreiro afirmou que o filho foi baleado com um tiro na cabeça. Conforme a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), o ombro direito de John também foi baleado.

“Trocou a vida por um celular”, lamentou o pai do estudante, o pedreiro Januário Vasconcelos da Costa, 58. (Foto: Jimmy Geber)

A investigação do caso aponta para a possibilidade de John ter tentado tirar o celular da cintura e o assaltante ter atirado após achar que o estudante iria sacar uma arma. Após os disparos, o casal fugiu, acompanhado da criança. O estudante caiu no chão, junto com o celular.

O pai do jovem disse que a amiga de John, que testemunhou o crime, pediu socorro e moradores da área socorreram o jovem e o levaram ao Hospital e Pronto-Socorro Dr. João Lúcio, na zona leste, onde ele ficou internado até o início da tarde, quando morreu.

O assalto foi filmado por câmeras de vigilância de uma escola particular, próximo ao local. Januário disse que os criminosos atuaram ‘de cara limpa’. “Queremos justiça. Ele foi e o celular ficou”, lamentou o pedreiro.