Grupo que espancou e queimou suspeito em Borba será transferido para Manaus, diz PC

Polícia identificou 13 pessoas que participaram da depredação do prédio da 9ª CIPM e dos atos de violência que resultaram no linchamento de Gabriel, 18, suspeito de estuprar e matar uma adolescente

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A Polícia Civil (PC) identificou 13 pessoas que participaram, ativamente, da depredação do prédio da 9ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM) e dos atos de violência que resultaram no linchamento de Gabriel Lima Cardoso, que tinha 18 anos, em Borba (a 151 quilômetros ao sul de Manaus). Segundo a PC, o grupo será transferido para Manaus. Gabriel foi morto logo depois de ser preso. Ele era suspeito de estuprar e matar a adolescente Patriciane Barros dos Santos, 14.

Moradores de Borba invadiram delegacia e mataram suspeito de estupro queimado (Foto: Reprodução)

O delegado Mateus Moreira, diretor do Departamento de Polícia do Interior (DPI), explicou que ao longo das diligências, 15 pessoas foram ouvidas no prédio da 74ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP), dentre familiares de Gabriel, e indivíduos que foram reconhecidos nas imagens gravadas por moradores. Ao todo, 13 pessoas foram identificadas e responderão pelos atos praticados, segundo a PC.

Caso é acompanhado na 74ª Delegacia Interativa de Polícia (Foto: Divulgação/PC)

“As imagens registradas no momento da ação criminosa auxiliaram nas investigações e na identificação de autores dos danos e do linchamento. Parte das 13 pessoas foram ouvidas na delegacia, já outros empreenderam fuga antes de prestar depoimento. Já temos ciência da participação de cada um. O procedimento será concluído e, posteriormente, remetido à Justiça. Todos os infratores responderão criminalmente por esse ato bárbaro, o próprio delegado-geral, Mariolino Brito, nos orientou e garantiu que essas pessoas serão transferidas para capital, eles não ficarão impunes”, disse Moreira.

Crime

Conforme Moreira, Patriciane Barros dos Santos foi encontrada morta na madrugada do dia 4 de julho deste ano, por volta das 3h, no quintal de uma casa, em Borba. O corpo da adolescente de 14 anos apresentava perfurações de faca. Ao longo das investigações, realizadas pelos policias civis da 74ª DIP, foi constatado que Gabriel era o autor do assassinato .

Depois de ser retirado da delegacia, o jovem foi espancado e morto queimado. (Foto: Reprodução)

“Após o crime, Gabriel permaneceu escondido até o último domingo (8/7), quando se entregou aos policiais, juntamente com um advogado, e confessou (informalmente) a autoria do homicídio. O infrator iria prestar depoimento no dia seguinte, mas foi retirado da carceragem pela população e morto em via pública”, relatou o diretor do DPI.

Efetivo

A PC enviou 16 policias civis lotados no DPI e no Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (FERA) para reforçar a segurança de Borba, após o episódio. Policiais militares da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) também foram enviados para a cidade. “O grupo foi encaminhado para conter qualquer ação criminosa durante esse período. Borba é um município tranquilo, e esse foi um fato atípico. Esse reforço vai permanecer até quando for necessário para manter a ordem”, disse o delegado-geral, Mariolino Brito.