Homem matou cunhado para defender irmã em briga, diz delegado

Abrahão Souza Costa se desentendeu com Jonas Oliveira da Silva após a vítima morder a bochecha da irmã dele numa briga por ciúmes

Gisele Rodrigues/redacao@diarioam.com.br

O desentendimento aconteceu, de acordo com o delegado, no bar onde estavam bebendo juntos (Foto: Raquel Miranda)

Manaus – Abrahão Souza Costa, 32, foi preso suspeito de matar o cunhado, em março deste ano. Segundo a polícia, o homem se desentendeu com a vítima, Jonas Oliveira da Silva, 29, após o cunhado brigar com a irmã dele, por motivos de ciúmes, em um bar no bairro Monte da Oliveiras, zona norte de Manaus. Segundo o delegado responsável pelo caso, Torquato Mozer, Abrahão brigou com o cunhado, quando a vítima mordeu a bochecha da mulher de 37, irmã de Abrahão. O desentendimento aconteceu, de acordo com o delegado, no bar onde estavam bebendo juntos.

Na volta, Abrahão e um segundo suspeito identificado como Alberto Iranildo Oliveira da Silva, 38, que está sendo procurado pela polícia, conduziram de carro Jonas na mãe dele e a mulher na residência do casal. Em seguida, os dois teriam encontrado Jonas e matado o operador de empilhadeira com uma pancada na cabeça, por volta das 4h30 do dia 18 de março, segundo relatou Mozer. O crime foi registrado em via pública.

“O laudo do IML (Instituto Médico Legal) indicou que ele morreu com uma com uma pancada única e forte na cabeça. Certamente eles se encontraram e lá a vítima acabou sendo morta”, afirmou o delegado.

Abrahão negou participação no crime. O suspeito confirmou a discussão, mas disse que não agrediu, nem matou o cunhado. Nos depoimentos dados durante o inquérito policial, Mozer informou que Abrahão indicou que o cunhado teria sido morto devido o envolvimento com o tráfico de drogas.

Outra hipótese dada a polícia, pela dupla de suspeitos, foi de que o Jonas teria sido assaltado enquanto saía da casa da mãe. As duas linhas de investigação foram descartadas, de acordo com Mozer.

“Iranilson é procurado, tecnicamente ele está foragido. Sugiro que Iranilson se apresente à polícia. Não se trata de uma pessoa com histórico criminal pesado. É claro que em um momento de descuido ali, somado à bebida, algo de errado possa ter acontecido”, disse Mozer.

Falso álibi

Para não serem pegos como suspeitos, segundo o delegado, ao longo das investigações Abrahão e Alberto informaram um falso álibi, que foi desmentido pela polícia.

“Eles disseram que estavam em um bar no conjunto Viver Melhor, no horário do crime, mas no curto espaço de tempo não seria possível que eles chegassem lá. Só faltou ele combinar o álibi com a outra pessoa”, disse o delegado informando ainda que o bar estava fechado naquele dia.

A justiça decretou para os dois suspeitos a prisão temporária, por 30 dias no dia 21 de setembro. Alberto, até a publicação, não tinha sido encontrado pela polícia.

Alberto Iranildo Oliveira da Silva está sendo procurado pela polícia (Foto: Divulgação/ Polícia Civil)


SIGA-NOS NAS NOSSAS REDES