“Meu filho tinha talento, ele conquistava o coração das clientes”, diz mãe de maquiador morto em salão

A mãe de João Felipe, assassinado a tiros dentro do salão de beleza onde trabalhava, falou sobre a admiração que tinha pelo filho. Muito abalada, ela disse que não sabe a motivação para o crime

Sofia Lorrane / redacao@diarioam.com.br

Manaus – “Meu filho conquistava o coração das clientes com o trabalho que ele realizava. Ele era muito bom e vai fazer muita falta”. A declaração é de Maria da Paz de Oliveira Martins, 56, mãe do maquiador João Felipe de Oliveira Martins, 22, assassinado a tiros dentro do salão de beleza onde trabalhava, na última quarta-feira (30), no conjunto Vieiralves, bairro Nossa Senhora das Graças, zona centro-sul.

A mãe do maquiador atendeu a reportagem, na tarde desta quinta-feira (31), momentos após voltar do sepultamento do filho. Ela disse que estava se recuperando de uma cirurgia no olho, realizada na semana passada, quando recebeu a notícia da morte do filho.

Mãe: palavra pequena, mas com um significado infinito, pois quer dizer amor, dedicação, renúncia a si própria, força e…

Posted by Felipe Oliveira on Thursday, December 29, 2016

“Meu filho era um filho muito bom e ele se foi. Ele vai fazer muita falta na minha vida, eu estou muito abalada com tudo. Eu estou operada do meu olho, tenho deficiência no meu braço esquerdo, minha cabeça está doendo muito, eu estou doente e agora perdi meu filho. A patroa dele disse que está tomando todas as providencias cabíveis porque no momento eu não tenho condições”, declarou.

De acordo com Maria da Paz, a família não tem suspeitas de quem possa estar envolvido no crime. Ela lembra do trabalho que o filho realizava como maquiador e fala sobre o reconhecimento que tinha de suas clientes.

Polícia divulga imagens para identificar suspeitos da morte de maquiador

Câmeras flagraram o momento do crime; veja

“Meu filho era trabalhador. Ele tinha talento. Ele era uma pessoa invejada pelas pessoas porque ele conquistava os corações das clientes com o trabalho que ele realizava. Meu filho não era envolvido com droga, ele não bebia, não fumava e não gostava nem de festa. Se ele recebeu alguma ameaça, não me falou”, relatou a mãe.

Até o momento, a polícia ainda não localizou os suspeitos do crime. O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).