Moradores de Borba invadem delegacia e matam suspeito de estupro queimado, diz SSP

Minutos antes de ser morto, Gabriel Lima Cardoso, 18, havia sido preso suspeito de matar e estuprar uma adolescente de 14 anos, na última quarta-feira (4). Segundo a SSP, moradores invadiram e depredaram os prédios da PM e da PC para a retirada do suspeito, que foi espancado antes de ser morto

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Moradores de Borba invadiram, na noite deste domingo (8), os prédios do 9° CIPM e da 74ª Delegacia Interativa de Polícia para retirar Gabriel Lima Cardoso, 18. Depois de ser retirado da delegacia, o jovem foi espancado e morto queimado. Minutos antes de ser assassinado, ele havia sido preso suspeito de estuprar e matar uma adolescente de 14 anos, na última quarta-feira (4). As informações são da Secretaria de Segurança Pública (SSP), que afirmou que PMs ficaram feridos ao tentarem impedir a ação da população.

Segundo a SSP, moradores invadiram e depredaram os prédios da PM e da PC para a retirada do suspeito, que foi espancado antes de ser morto (Foto: Reprodução)

Na noite deste domingo, a SSP afirmou que reforços das polícias Civil (PC) e Militar seguirão para Borba. Segundo a secretaria, os prédios do 9° CIPM e da 74ª Delegacia Interativa de Polícia foram parcialmente depredados para a retirada do jovem. Ele havia sido preso por volta das 17h30. O suspeito foi linchado e teve o corpo completamente carbonizado, conforme a SSP.

A secretaria informou que equipes compostas por delegados e investigadores e a tropa das Rondas Ostensivas Cândido Mariano (Rocam), da PM, partidão para a cidade nas primeiras horas da manhã desta segunda-feira (9). Borba não tem aeroporto e, por isso, segundo a SSP, o voo noturno é proibido.

De acordo com o comandante-geral da PM, coronel David Brandão, a situação na cidade está controlada. Segundo ele, por conta da movimentação atípica observada com a prisão do suspeito de estupro e homicídio, a equipe da Polícia Civil pediu apoio da PM para o deslocamento do detento, que ficou recluso no 9° CIPM e não nas celas da delegacia. “Havia uma mobilização pelas redes sociais da revolta. Houve a tentativa de enviar reforços de policiais militares de Nova Olinda do Norte, a cidade mais próxima, que fica a cerca de 3 horas de distância, mas além do longo tempo para deslocamento, a cidade vizinha enfrentava uma tempestade”, informou a SSP, por meio da assessoria de comunicação.

Conforme informações repassadas pelo Comando de Policiamento do Interior da PM, em poucos minutos, centenas de populares invadiram e retiraram o suspeito, praticando o linchamento, a carbonização e a depredação do patrimônio público.

A SSP informou que seis policiais militares ficaram machucados, com lesões leves. Eles receberam atendimento médico e passam bem. “Não há informações, até o momento, de outros feridos. Depois do tumulto, o conflito popular cessou e, até o momento, não houve novos registros de ocorrências semelhantes”, informou a secretaria.

A PC informou que um Inquérito Policial (IP) vai ser instaurado para apurar as circunstâncias do crime. O diretor do Departamento de Polícia do Interior, delegado Mateus Moreira, vai para Borba acompanhar o caso.