Mortas com 120 facadas estavam ‘entregando’ membros de facção rival, diz polícia

Um homem que, segundo a polícia, não tinha envolvimento com facções, também foi morto porque estava acompanhado da namorada, que é uma das vítimas

Gisele Rodrigues / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Na ação que pede a prisão preventiva dos envolvidos nos assassinatos de três pessoas, no bairro do Armando Mendes, zona leste, o delegado Charles do Nascimento Araújo, da Delegacia Especializada em Homicídios  e Sequestros (DEHS), informou que as vítimas eram integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) e estavam “dedurando” membros da facção Família do Norte (FDN). Três pessoas, entre elas o adolescente que fez um vídeo dos assassinatos, foram capturadas. As imagens gravadas, e compartilhadas em mídias sociais, mostram que as mulheres foram brutalmente assassinadas com 120 facadas. No local do crime, a polícia também achou o corpo de um homem que, segundo a polícia, não tinha envolvimento com facções, mas foi morto porque estava acompanhado da namorada, Lorena.

Assassinatos aconteceram em área de mata, no Armando Mendes (Foto: Jimmy Geber e Reprodução)

As duas assassinadas, segundo o auto de flagrante da Polícia Civil (PC), são Lorena Amaral de Souza, de idade ainda não divulgada, e Emily Souza Lima, 18. O homem morto foi identificado como Jaedson Maia Braga, 21.

As imagens feitas pelo adolescente não mostram o assassinato de Jaedson. Conforme com a ação judicial, ele implorou para que sua morte não fosse filmada. O rapaz que, segundo as investigações não tinha nenhum envolvimento com as facções, foi morto apenas porque estava na companhia da namorada, Lorena.

O adolescente de 15 anos que fez o vídeo dos assassinatos disse, em depoimento, que as cenas foram gravadas para divulgação das mortes, porque as vítimas eram integrante do PCC e estavam “entregando” quem era da FDN.

O jovem foi apreendido nesse sábado (20). No mesmo dia, foram presos, em flagrante, sob os crimes de homicídio qualificado e corrupção de menores, Pablo Lima Freitas e Paulo Henrique Porfírio de Souza, conhecido como ‘Velhinho’.

Torturadas

Lorena, Emily e Jaedson foram sequestrados na última sexta-feira (19). Segundo a ação judicial, liderado por Pablo, o grupo torturou as três pessoas mortas para que elas confessassem ligação com o PCC.

A polícia afirma que Pablo sequestrou as mulheres, as amarrou e torturou. Mas, na ação, não há mais detalhes sobre as torturas e se, de fato, elas foram dopadas para serem levadas até o matagal onde foram mortas junto com Jaedson.

À polícia, Pablo disse que o adolescente auxiliou na condução das três vítimas até a área de mata e filmou o primo esfaqueando as mulheres. Além disso, o primo de Pablo também ajudou a enterrar os corpos e a esconder a faca usada no crime, conforme o depoimento dado à PC.

No depoimento, Paulo informou que Paulo Henrique e Luiz David Matos Vieira, conhecido como ‘Timão’, ajudaram a fazer a segurança do local, a cavar e a enterrar as duas mulheres e Jaedson.

Além de Luiz David, também é citado no processo, Hudson Araújo de Souza, conhecido como ‘Som’. Os dois seguem foragidos.