Policial agride mulher com cotovelada no rosto, puxão de cabelo e arremesso no chão; veja vídeo

O Comando-Geral da Polícia Militar do Amazonas (PMAM) determinou que a Diretoria de Justiça e Disciplina (DJD) abra um procedimento administrativo para apurar as circunstância de um vídeo

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O Comando-Geral da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), determinou que a Diretoria de Justiça e Disciplina (DJD) abra um procedimento administrativo para apurar as circunstância de um vídeo, onde um policial da corporação aparece agredindo uma mulher durante uma abordagem. A informação é do tenente-coronel Jorge Rebello, chefe da Diretoria de Comunicação Social (DCS) da Polícia Militar (PM).

(Imagem: Reprodução/WhatsApp)

No vídeo que circula nas redes sociais, desde o último domingo (2) pelo menos, sete policiais com farda da PM do Amazonas, aparecem em uma ação truculenta, onde a mulher é agredida por um dos militares com cotovelada no rosto, puxão de cabelo, além de ser arremessada no chão. Durante a ação, um dos policiais atirou duas vezes para o alto para intimidar quem presenciava a ação.

Vídeo

O vídeo amador tem 30 segundos de duração e foi gravado de um aparelho celular por um dos moradores que presenciou o caso.

Sem qualquer chance de defesa, a mulher que ainda não foi identificada, é imobilizada. Um policial tenta colocar as mãos dela para trás, mas a vítima reage e é atingida com uma cotovelada no rosto.

Em seguida, o mesmo policial joga a mulher no “xadrez” da viatura. A imagem já mostra a vítima sendo puxada pelos cabelos e jogada no chão pelo militar. Moradores gritam e outro policial, que estava com uma pistola calibre ponto 40 na mão direita, atira duas vezes para o alto para intimidar os comunitários.

A polícia ainda não conseguiu identificar de qual Companhia Interativa Comunitária (Cicom) os policiais fazem parte. Porém, já está tentando identificar os policiais e será aberto um procedimento para apurar a conduta dos PM’s envolvidos, segundo o tenente-coronel Rebello.

O tenente-coronel informou ainda, que a corporação não compactua com abusos ou excessos e que se for constatado que houve abuso os policiais serão punidos.