Sindicato de combustíveis repudia ato de policial e cobra medida da PM

O caso aconteceu na madrugada de domingo (24) e o policial agiu agressivamente após mandar que o estabelecimento fosse fechado e ter sua solicitação negada

Manaus – O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Lubrificantes, Alcoois e Gás Natural do Estado do Amazonas (Sindicombustíveis-AM) emitiu nota de repúdio, nesta segunda-feira (25), após ser divulgado um vídeo mostrando um policial militar, de nome não divulgado, usando um cassetete para quebrar bebidas e o que visse em cima de mesas de uma loja de conveniência, na Avenida do Turismo, zona oeste de Manaus. O caso aconteceu na madrugada de domingo (24) e o policial agiu agressivamente após solicitar que o estabelecimento fosse fechado.

O vídeo mostra o momento em que o policial militar conversa com uma atendente para que a loja de conveniência seja fechada. Diante da negativa da mulher, o policial ficou agressivo, pegou o cassetete e atingiu garrafas de bebidas e pertences de quem estava no local. Visivelmente irritado, o policial tentou intimidar quem estava no local. Havia, pelo menos, 20 clientes em frente ao estabelecimento que tiveram que sair enquanto pediam calma para o militar.

Havia, pelo menos, 20 clientes no local no momento da violência (Foto: Reprodução)

Em nota, o Sindicombustíveis-AM “repudiou com veemência” o ato agressivo e classificou como desproporcional para a situação. Conforme o sindicato, os clientes não entenderam o motivo para o uso da violência já que não havia a prática de nenhum ato ilícito.

“Passaram a ser retirados do ambiente com extrema violência, até mesmo porque o referido estabelecimento é devidamente licenciado para funcionar 24 horas, ainda assim os frequentadores não apresentavam qualquer tipo de risco à sociedade para se justificar uma medida tão extrema, ficando caracterizado o abuso de autoridade e depredação do patrimônio privado”, informou nota do Sindicombustíveis-AM.

O sindicato informou, também, que acredita na Polícia Militar do Amazonas e que tem certeza que a conduta do policial foi isolada. “Esperamos que as medidas legais sejam devidamente aplicadas, desestimulando qualquer conduta ilegal e desequilibrada por parte de seus agentes”, completou a nota.

Nota

A Polícia Militar (PM) informou, por meio de nota, “que não compactua com condutas incompatíveis” e que em relação ao vídeo, a polícia adianta que o caso será “apurado com o devido rigor uma vez que ninguém está acima da lei e o PM tem a obrigação de atuar cumprindo a legislação para garantia da ordem”.

Além disso, a corporação esclarece, ainda, que a população deve procurar a Corregedoria da Secretaria de Segurança Pública para realizar denúncias. Pode recorrer, ainda, ao Núcleo de Atendimento ao Cidadão da Ouvidoria do Sistema de Segurança Pública. O contato da corregedoria é (92) 3652-2000. Para fazer uma reclamação a ouvidoria da SSP, envie um e-mail para ouvidoriadeseguranca.sspam@gmail.com.

***Matéria atualizada às 9h07