Sogra de mulher morta por marido pede desculpas à família: ‘O que eu mais quero é ele preso’

A declaração é da autônoma Ana Lúcia Amorim Simões, 53, sobre seu filho, suspeito de matar a própria esposa com três facadas na última quarta-feira (11)

Filipe Távora / redacao@diarioam.com.br

Manaus – “O que eu mais quero é que ele seja preso e pague pelo que fez”. A declaração é da autônoma Ana Lúcia Amorim Simões, 53, sobre seu filho, o borracheiro Mark Amorim Simões, 36, que matou a própria esposa com três facadas na noite da última quarta-feira (11), na casa da vítima, na Rua das Pedreiras, Colônia Terra Nova III, zona norte de Manaus.

No velório de Marli, que ocorreu na manhã desta quinta-feira (12), no Bairro Santa Cruz, zona centro-sul, a mãe de Mark pediu perdão à mãe de Marli, a aposentada Zulia Correira da Silva, 78, alegando que já havia pedido para que a vítima se separasse de seu filho.

“Eu peço perdão, eu lutei muito para que isso não acontecesse. Quando a pessoa é errada do jeito que ele era, não tem o que fazer . Eu pedi para que ela fosse morar contigo várias vezes, dizendo que eu cuidaria das crianças. Mas ela não me ouvia. Dava chance após chance a ele, e agora está aí: ele matou ela”, desabafou a autônoma.

A irmã de Marli, que teve o nome preservado, disse que a família de Mark também compareceu ao velório de Marli e que o foragido tinha desentendimentos com a mãe e irmão.

“Tanto a minha família quanto a dele estão lutando para que a polícia o pegue. Nem a mãe e nem o irmão dele gostavam de falar com o Mark justamente por causa das agressões que ele cometia com Marli. A família dele também não aceitava o que ele fazia”, relatou.

Segundo a mulher, a família de Marli já suspeitava de que ela corresse risco de vida, devido às ameaças e aos maus tratos que sofria do marido. “Ele ameaçava ela várias vezes. Era muito violento”, disse.

Mark Amorim Simões permanece foragido e, de acordo com familiares, raspou o cabelo para não ser identificado pela polícia. A Delegacia Especializada em Sequestros e Homicídios (DEHS) investiga o caso.

Entendo o caso

Marli Correia da Silva, 36, foi assassinada a facadas, na casa dela, na zona norte de Manaus, na noite da última quarta-feira (11). A polícia classificou o crime como feminicídio e aponta como autor o marido da vítima, o borracheiro Mark Amorim Simões, 36.

O homem, que está foragido, já havia sido condenado por matar uma ex-namorada. A própria mãe de Mark contou que abriu diversos processos contra o filho por agredir fisicamente e verbalmente a nora dela, mas ele se recusava a sair de casa, mesmo com determinação judicial.

De acordo com informações da DEHS, a vítima foi atingida por três facadas, uma na barriga e duas nas costas, dentro de casa, na Rua das Pedreiras, Colônia Terra Nova III. Marli foi socorrida e levada ao Serviço de Pronto Atendimento (SPA) Galileia, onde morreu na madrugada desta quinta-feira, por volta de 1h.

O corpo dela foi levado para Instituto Médico Legal (IML), ainda na madrugada.