SSP-AM desarticula ação de integrantes da FDN, na zona leste de Manaus; veja fotos

Durante a desarticulação, quatro dos cinco homens morreram, um se entregou e nenhum dos reféns ficou ferido. Eles fizeram de refém cerca de 20 pessoas

Bruno Mazieri / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Cinco homens fortemente armados assaltaram, na tarde deste sábado (13), a Lotérica Circular, na Avenida Autaz Mirim, bairro São José, zona leste de Manaus. Eles fizeram de refém cerca de 20 pessoas. Durante a desarticulação realizada pela Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), quatro dos cinco homens morreram, um se entregou e nenhum dos reféns ficou ferido.

Durante a tentativa de fuga, os homens fizeram um escudo humano com parte dos reféns. Eles percorreram a Avenida Autaz Mirim, Rua Carauari e Rua Corupá (antiga Rua Amazonas), local onde os reféns foram liberados.

De acordo com a Polícia Militar do Amazonas (PM-AM), os reféns foram usados como escudos humanos, na tarde deste sábado, após um assalto a uma casa lotérica na Avenida Autaz Mirim, também conhecida como ‘Grande Circular’. Nenhum dos reféns ficou ferido. Ainda de acordo com a PM, quatro assaltantes morreram durante troca de tiros com policiais militares. Um quinto integrante do bando, identificado como Valdemir Lima de Pala Rodrigues, de idade não informada, se entregou e foi preso.

Valdemir Lima de Pala Rodrigues, assaltante que se entregou e foi preso. (Foto: Divulgação)

A tentativa de assalto aconteceu por volta das 15h30. Os bandidos foram seguidos e atiraram contra a polícia. A quadrilha estava armada com espingarda, pistola e uma submetralhadora. O secretário da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), coronel Amadeu Soares, acompanhou a ação.

Segundo testemunhas, o grupo entrou entrou na lotérica, anunciou o assalto e jogou gasolina nos caixas, ameaçando atear fogo caso eles não abrissem a porta. Havia cerca de 30 pessoas no prédio e todos foram forçados a deitar no chão. A polícia chegou minutos após a entrada dos assaltantes na lotérica e os bandidos mandaram que os reféns se levantassem para montarem uma barreira humana.

“Mandaram que a gente ficasse de pé e desse as mãos, fazendo uma parede entre eles e os policiais”, disse um dos reféns.

***Matéria atualizada às 19h10 para acréscimo de informações