Tia e sobrinho têm cabeças esmagadas e corpos são encontrados dentro de banheiros

As duas vítimas foram encontradas despidas, em dois banheiros diferentes da casa. De acordo com a polícia, o crime deve ser investigado como latrocínio

Jucélio Paiva / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Arlete Almeida de Araújo, 70, e o sobrinho dela, o vendedor Alexsandro Mateus Araújo de Lima, 31, tiveram as cabeças esmagadas na parede dos banheiros da casa onde moravam, na Rua 10 do conjunto Hileia, zona centro-oeste da capital, na noite desta terça-feira (4). A informação é do delegado Abraão Serruya, da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

A suspeita preliminar do delegado é que o namorado, ou algum conhecido de Alexsandro, tenha participado do crime.

Os corpos de tia e sobrinho foram levados para o Instituto Médico Legal (IML). (Foto: Jucélio Paiva/Divulgação)

As duas vítimas foram encontradas despidas, em dois banheiros diferentes da casa. No local onde Alexsandro foi morto, a polícia encontrou preservativo usado.

De acordo com o tenente Carlos Felipe, da 17ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), no fim da tarde desta terça-feira, um amigo de Alexsandro decidiu ir até a residência, após estranhar a vítima faltar dois dias de trabalho, e não comunicar, nem atender o telefone.

O homem pulou o muro da casa e encontrou os corpos de tia e sobrinho.

Segundo o tenente Carlos Felipe, o vendedor estava com uma corda enrolada no pescoço. Já a idosa estava despida e com fezes ao lado do corpo.

O delegado Abraão Serruya disse que o crime deve ser investigado como latrocínio (roubo seguido de morte), já que o celular de Alexsandro não foi encontrado, além de várias caixas que estavam sem relógios. “A suspeita é que mais gente tenha participado do crime, porque a casa estava toda revirada”, disse Serruya.

A sobrinha da idosa e irmã de Alexsandro, Marizete Araújo de Lima, 46, disse que recebeu uma ligação telefônica no início da noite, que informava que havia uma grande movimentação de polícia no local.

Marizete confirmou que Alexsandro era homossexual, e disse, ainda, que há cerca de 10 anos, o avô dela foi morto estrangulado na mesma casa, durante uma tentativa de assalto.

Os corpos de tia e sobrinho foram levados para o Instituto Médico Legal (IML).