Um mês após Chacina na Compensa, apenas um suspeito foi preso

Tiroteio no CSU da Compensa deixou seis pessoas mortas e outras nove feridas. Delegado diz que a Polícia Civil mantém o sigilo do caso para não atrapalhar a investigação

Jucélio Paiva / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Passado um mês da chacina que deixou seis pessoas mortas e outras nove feridas, no Centro Social Urbano (CSU) da Compensa, na zona oeste de Manaus, a Polícia Civil (PC) mantêm sigilo sobre o caso. O delegado Juan Valério, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), relatou que o procedimento é para não atrapalhar a investigação, que busca identificar pistoleiros envolvidos na chacina. Até o momento, apenas Andrei de Souza Guabiraba, o ‘Buiú, 36, apontado como o mandante da chacina, foi preso.

Chacina deixou seis mortos no bairro Compensa (Foto: Divulgação/PM)

Na época dos assassinatos, a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) montou uma Força Tarefa, composta pela PC e Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai), para investigar e dar uma resposta rápida ao caso.

SAIBA MAIS SOBRE O ASSUNTO
Vítimas de chacina na Compensa foram monitoradas por drone, diz PC
Policiamento em Manaus será reforçado com tropas após chacina, diz SSP
“Meu filho saiu para brincar e voltou desse jeito”, diz mãe de homem morto em chacina

Crime ocorreu na noite do dia 12 do último mês de dezembro. (Foto: Reprodução/PM).

Ao portal D24AM, o delegado Juan Valério, disse que as informações do caso estão concentradas na DEHS, e que as investigações seguem em andamento, mas em sigilo. “Nós continuamos nos trabalhos de identificação das outras pessoas. Estamos fazendo, ainda, alguns levantamentos de inteligência também. E o ‘Buiú’ continua preso, mas não posso entrar em outros detalhes, porque pode atrapalhar o transcurso das investigações”, comentou.

Questionado, o delegado disse que, tanto o depoimento quanto o local onde Andrei está preso, são mantidos em sigilo, para a segurança do preso.

Na época da prisão do suspeito, o delegado da DEHS informou que as mortes na Compensa tiveram relação com o assassinato de George Alberto Barreto, 30, ex-presidiário que foi morto após perseguição na tarde do dia 12 de dezembro, horas antes da chacina. Também conhecido como ‘Buiu’, George teria sido morto por engano, no lugar de Andrei.

Crime aconteceu no CSU da Compensa (Foto: Carla Albuquerque/Divulgação)

Já o delegado-geral da PC, Mariolino Brino, disse à época, que as investigações apontaram que houve um racha na facção criminosa conhecida como Família do Norte (FDN), que começou com o assassinato do traficante Ramerson Albuquerque de Oliveira, 33, o ‘Gogonha’. Morto no dia 4 de novembro de 2017, Ramerson é  suspeito de atuar no tráfico de drogas na zona centro-sul de Manaus.

O caso

Por volta das 22h do dia 12 de dezembro de 2017, um grupo armado com fuzil 556 e pistolas cercou o CSU, onde treinavam jogadores dos times Manaus Compensão e do T5 Jamaica. Os suspeitos atiraram contra os atletas e moradores que assistiam ao treino e pessoas que brincavam de futebol em outra quadra. Seis pessoas foram mortas, entre elas os irmãos Ronaldo de Oliveira Souza, 23, e Rodrigo de Oliveira Souza, 24.

As outras vítimas foram identificadas como Davi Costa da Silva, 27, Michel de Sena Passos, 33, Edilson Xavier Diniz Junior, 24, e o adolescente José Diego Serrão, 17.



SIGA-NOS NAS NOSSAS REDES