Pregão para ocupação das casas mais antigas de Manaus será realizado pela Prefeitura

Casas 69 e 77 estão localizadas na Rua Bernardo Ramos, no Centro Histórico, e são consideradas as residências mais antigas da capital

Com informações da assessoria / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A Comissão Municipal de Licitação da Prefeitura de Manaus fará um Pregão Presencial tendo como objeto a permissão onerosa e uso das casas 69 e 77, que estão localizados na Rua Bernardo Ramos, no Centro Histórico, consideradas as residências mais antigas da capital.

Casas estão recebendo pinturas, novas cerâmicas e peças sanitárias. (Foto: Ingrid Anne/Manauscult)

O aviso de licitação foi publicado na edição 4410, do Diário Oficial do Município (DOM). O edital está disponível aos interessados desde o último dia 2 de agosto, na internet ou na Comissão de Licitação, localizada na Avenida Constantino Nery, nº 4080, bairro Chapada, zona centro-sul, das 8h às 14h, de segunda à sexta-feira. O Pregão Presencial ocorrerá no dia 20 deste mês, às 9h.

Localizadas na Rua Bernardo Ramos, as casas 69 e 77 carregam em sua arquitetura uma parte da história de Manaus, do período colonial, e são consideradas as residências mais antigas da capital amazonense, construídas em 1819. Depois de dez anos fechadas e após a desistência de três empresas em operar a reforma, a prefeitura retomou a obra com recursos do Fundo Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultura (Funpatri), que elegeu essas casas para aplicação do recurso.

A obra está em fase de acabamento e as casas estão recebendo pinturas, novas cerâmicas e peças sanitárias. A casa 69 possui 137,86 m², onde funcionava um escritório de contabilidade, há mais de dez anos, quando foi desapropriada pela prefeitura por conta do valor histórico da residência. A casa de número 77, que faz esquina com o Beco José Casemiro, tem 151,24m², e já foi um bar antes de ter a desapropriação aprovada.

Em Manaus, o Funpatri foi criado pela Lei nº 722, de 4 de dezembro de 2003, e regulamentado pelo Decreto nº 8.525, de 21 de junho de 2006.