Projeto da Ufam é selecionado pelo Ministério da Saúde

O objetivo é promover a integração ensino-serviço-comunidade com foco no desenvolvimento do SUS, a partir dos elementos teóricos e metodológicos da Educação Interprofissional (EIP)

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A Universidade Federal do Amazonas (Ufam) teve projeto aprovado pelo Ministério da Saúde (MS) dentro do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde/Interprofissionalidade). As inscrições foram realizadas entre os meses de agosto e setembro e o resultado dos selecionados foi divulgado na última quarta-feira (31), no site oficial do MS.

Ao todo, 120 projetos foram selecionados – incluindo o da Ufam –, sendo aptos, para os próximos dois anos, a implementarem atividades de integração ensino-serviço-comunidade utilizando os pressupostos teóricos e metodológicos da Educação Interprofissional em Saúde (EIP) com foco no desenvolvimento do Sistema Único de Saúde (SUS). Aproximadamente 200 Instituições de Ensino Superior (IES) públicas e privadas sem fins lucrativos e secretarias estaduais e municipais de saúde de todo o País submeteram propostas.

A Secretária da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, do Ministério da Saúde (SGTES/MS), Cláudia Brandão, enfatizou importantes aspectos durante o processo de seleção das propostas, tais como a elevada qualidade dos conteúdos dos projetos submetidos e o grande interesse das Instituições de Ensino Superior do País e serviços de saúde para essa edição do PET-Saúde.

Ações tem como objetivo o desenvolvimento do Sistema Único de Saúde (SUS) (Foto: Marcello Casal Jr./ABr)

A secretária mencionou, ainda, a transparência adotada para a seleção dos projetos e os esforços para contemplar o maior número de propostas, levando em conta a disponibilidade orçamentária para o desenvolvimento das ações.

“Todas as regiões geográficas do País tiveram projetos aprovados nesta edição do PET-Saúde. Isso demonstra o interesse das instituições formadoras e serviços de saúde para promoverem mudanças na educação das profissões da área da saúde, integrando a academia à realidade do trabalho em saúde por meio da abordagem da Educação Interprofissional, sendo essa uma proposta inovadora para formar profissionais de saúde mais aptos para o trabalho em equipe”, salientou Brandão.

Em breve os coordenadores dos projetos aprovados receberão informações mais detalhadas sobre os próximos passos.