Semsa prepara varredura vacinal contra sarampo em Manaus

O objetivo é realizar uma vacinal para a prevenção contra o sarampo nas áreas onde houve a notificação de sete casos suspeitos da doença

Com informações da assessoria / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) inicia, nesta quinta-feira (15), uma intensificação vacinal contra sarampo nos bairros Santa Etelvina, Monte das Oliveiras, São Geraldo e na comunidade São João, no bairro Lago Azul, quilômetro 4 da BR – 174 (Manaus –Boa Vista). O objetivo é realizar uma varredura vacinal para a prevenção contra o sarampo nas áreas onde houve a notificação de sete casos suspeitos da doença.

O objetivo é realizar uma varredura vacinal para a prevenção contra o sarampo. (Foto: Divulgação)

A intensificação faz parte das ações que a Prefeitura de Manaus está desenvolvendo para evitar um possível surto de sarampo, considerando os alertas emitidos pela Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, inclusive em conjunto com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), referente ao surto da doença no Estado de Bolívar, na Venezuela, fronteira com Roraima.

O secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, informa que a Semsa já realizou o bloqueio vacinal em cada um dos casos suspeitos, trabalho que inclui a investigação dos contatos que o paciente manteve, em família, local de moradia ou no trabalho, com a verificação do cartão de vacina e, quando necessário, a imunização das pessoas que estiveram em contato com o paciente, de acordo com a recomendação do Ministério da Saúde.

“Manaus não registra um caso positivo de sarampo há 18 anos, porém, com o surto da doença no país vizinho e dos casos já notificados e confirmados em Roraima, por determinação do prefeito Arthur Virgílio Neto, a Semsa vem reforçando a vigilância para casos suspeitos, tomando todas as medidas possíveis para prevenir ou quebrar a cadeia de transmissão”, garante Marcelo Magaldi, lembrando que a Prefeitura de Manaus oferece a vacina de forma gratuita em 183 Unidades de Saúde.

Estratégias

Em reunião realizada na manhã desta terça-feira (13), representantes do Departamento de Vigilância Ambiental e Epidemiológica (Devae), da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs) e Núcleo de Imunização da Semsa e dos Distritos de Saúde (Disas) Sul, Leste, Oeste, Rural e Norte, definiram as estratégias para a varredura vacinal nos locais onde houve o registro de casos suspeitos.

A varredura, conforme a diretora do Devae, enfermeira Marinélia Martins Ferreira, é um estratégia que será utilizada para ampliar ainda mais as ações de bloqueio vacinal que já foram executadas. “A intenção é trabalhar em um raio de ação de nove quarteirões ao redor do local de residência ou do trabalho do paciente. Os profissionais de saúde irão de casa em casa realizando a verificação da situação vacinal das pessoas e, se houver necessidade, será aplicada a vacina”, informa Marinélia.

A expectativa inicial é que, durante a varredura, os profissionais de saúde realizem a avaliação de 7.540 cartões de vacina, verificando se há necessidade de imunização.

Vacina

A prevenção mais eficaz contra sarampo é com a vacina tríplice viral, que deve ser aplicada aos 12 meses de idade e uma segunda dose com a vacina tetraviral aos 15 meses de idade. Na faixa etária de 2 a 29 anos, a orientação é para administrar duas doses da vacina tríplice viral, e em adultos de 30 a 49 anos de idade, administrar uma dose da tríplice viral, caso não apresentem comprovação vacinal.