Sotero pediu ajuda psiquiátrica e está tomando remédios controlados, aponta laudo

O delegado matou a tiros o advogado Wilson de Lima Justo Filho, em novembro do ano passado, no Porão do Alemão. Ele está preso há sete meses

Gisele Rodrigues / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O delegado da Polícia Civil Gustavo Sotero está com “stress grave e transtornos de adaptação”. Segundo laudo médico apresentado pela defesa de Sotero, o delegado começou a tomar remédios controlados e está passando por acompanhamento psiquiátrico. Acusado de assassinar o advogado Wilson de Lima Justo Filho, 35, na casa noturna Porão do Alemão, zona oeste de Manaus, em novembro de 2017, o delegado está preso há sete meses.

Sotero pediu ajuda psiquiátrica e está tomando remédios controlados, aponta laudo (Foto: Reprodução)

O pedido de atendimento médico psiquiátrico foi feito pela advogada de Sotero, Carmem Romero, no início de junho. A defesa solicitou que, pelo menos, a cada 60 dias um psiquiatra faça o atendimento regular.

O delegado está preso na carceragem da Delegacia Geral, no Dom Pedro, na zona oeste de Manaus, e o pedido foi direcionado ao chefe da PC, delegado Mariolino Brito. “Diante do exposto, reitera-se o deferimento da consulta médica direito de todo preso, posto que o custodiado está em tratamento e fazendo uso de medicamento controlado, os quais já acabaram e necessita ser consultado pelo referido profissional o qual está em tratamento”, sustentou Romero no pedido.

A REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) entrou em contato com a Polícia Civil (PC) sobre a decisão do delegado-geral, mas, até a publicação desta reportagem, não obteve retorno.

A primeira fase da instrução começou no último dia 14 de junho e deve durar, pelo menos, três dias. A 1ª Vara do Tribunal do Júri da capital marcou outras duas audiências no Fórum Ministro Henoch Reis, que devem ocorrer nos dias 17 e 18 deste mês, conforme o Tribunal de Justiça do Estado.

A Polícia Civil do Amazonas, representada pelo delegado-geral, Mariolino Brito, informou, em nota, que foi solicitada a defesa do delegado Gustavo Sotero, laudo que comprovasse a necessidade de acompanhamento psiquiátrico, bem como foi oficiado a Vara Criminal para a manifestação a cerca dos atendimentos e saídas previamente comunicadas e justificadas.

“Brito ressalta ainda que cumpre o que recomenda a lei e todas as determinações da Justiça. Quanto ao tratamento dispensado ao custodiado: Gustavo Sotero recebe alimentação, tem direito a visitas dos advogados e familiares em horários pré-determinados (porém, como tem família residente fora do Estado, acaba usando raramente esse direito), banhos de sol são permitidos uma vez por semana. Além de Gustavo Sotero, outros dois policiais civis permanecem encarcerados”, informa a nota.