Varredura na UPP apreende celulares, TVs, armas e drogas

Foram encontrados celulares, televisões, estoques e outros objetos. A operação contou com o apoio das Forças Armadas e o número parcial de objetos apreendidos já passava de 800

Sofia Lorrane / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Após uma operação de varredura na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), localizado na estrada do Puraquequara, zona leste de Manaus, na manhã desta segunda-feira (17), por volta das 6h, Militares das Forças Armadas e Forças Estaduais de Segurança encontraram mais de 800 objetos irregulares na unidade. Sete presos serão indiciados por porte de arma de fogo e mais 20 serão indiciados por porte de entorpecentes.

Celulares foram apreendidos durante a operação (Foto: Divulgação/ PC-AM)

De acordo com  Sérgio Fontes, titular da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), a operação foi realizada até às 16h. Até 14h30 já tinham sido apreendidos no local 37 celulares, 24 televisões, 54 estoques, um revólver calibre 38, uma pistola 380, 29 munições de arma de fogo, 12 chaves de fenda, 22 baterias de celular, 35 chips de celular, 23 carregadores de celular, 9 barras de ferro, 53 ventiladores, três tesouras, cinco cartões de memória, um fogão, 28 aparelhos de som, 11 cordas, 125 materiais perfurantes, 40 barbeadores, 297 porções de droga, além de 21 listas com nomes de pessoas e valores que segundo, Sérgio Fontes, são cobranças de venda de substancias entorpecentes.

“As quantidades dos objetos encontrados foram bem menores, tivemos a surpresa de duas armas de fogo e isso sempre é preocupante. Elas provavelmente já se encontravam ali no local a bastante tempo pela maneira como estavam condicionadas, aguardando uma oportunidade para serem usadas pelos criminosos que a colocaram ali. Os equipamentos de escaneamento de corpo estão sendo adquiridos é isso vai causar uma amiga baixa muito significativa porque nós sabemos que a maior parte das substâncias entorpecentes, celulares, chips e carregadores infelizmente entram em cavidades do corpo de visitantes, e com o aparelho isso vai acabar”, disse o secretário Sérgio Fontes.

O delegado geral da Policia Civil, Frederico Mendes, disse que sete presos serão indiciados por porte de arma de fogo e mais 20 serão indiciados por porte de drogas, que foram encontradas nas celas.  “O material será colocado à disposição da perícia e também os delegados do 28º DIP serão responsáveis pelo procedimento. Conseguimos retirar os objetos proibidos e armas do sistema prisional que estava em iminência de ocorrer uma nova chacina”, explicou.

O coronel da Polícia Militar, Sérgio Oliveira, afirmou cerca de 700 militares vistoriaram a unidade e que o uso dos detectores de metais localizaram as armas. “No momento da localização de ambas as armas, elas se encontravam dentro de uma parede. Existia uma parede e um compartimento por trás onde foi identificado que havia sido feito ali um trabalho de escavação, com o aparelho foi possível encontrá-las”, relatou.

Segundo o Tenente Coronel Cleitman Rabelo, os objetos ilegais entram na unidade por meio dos visitantes e também alguns são arremessados pelo muro da unidade.

“Nós identificamos, através do sistema de monitoramento, pessoas que arremessam ilícitos para dentro da cadeia. Já pegamos arma, já pegamos celular  e drogas também sendo jogados. E também não podemos descartar a possibilidade de que pessoas que trabalham dentro do sistema levam esses ilícitos para a cadeia”, disse.

A operação contou com a presença de militares do Exército, grupos especializados da Polícia Militar e Civil, agentes da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), além do apoio do Corpo de Bombeiros, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Eletrobras, Marinha e Aeronáutica.

 

 

Polícia Militar, Civil e Forças Armadas participaram da operação (Foto: Divulgação/ PC-AM)