Células-tronco da medula óssea permitem tratar insuficiência cardíaca

O estudo foi desenvolvido entre 2009 e 2011 em cinco centros hospitalares e com 92 pacientes, parte dos quais foram escolhidos aleatoriamente para serem tratados com células-tronco provenientes de sua medula óssea.

Londres – A utilização em pacientes cardíacos de células-tronco provenientes de sua medula óssea permitirá reparar seus tecidos afetados, revela um estudo clínico divulgado no último sábado (24) nos Estados Unidos.

Trata-se da pesquisa mais ampla realizada até agora para examinar a terapia celular em pacientes que sofrem de insuficiência cardíaca crônica e cujo coração é incapaz de bombear o sangue.

Os participantes neste estudo clínico, de uma idade médica de 63 anos, sofriam igualmente de um mau funcionamento do ventrículo esquerdo de seu coração, afirmaram os autores da pesquisa, apresentada na 66ª conferência anual do American College of Cardiology (ACC), celebrada neste fim de semana em Chicago, no estado do Illinois (norte dos EUA).

O estudo foi desenvolvido entre 2009 e 2011 em cinco centros hospitalares e com 92 pacientes, parte dos quais foram escolhidos aleatoriamente para serem tratados com células-tronco provenientes de sua medula óssea.

O teste clínico foi conduzido pelo dr. Emerson Perin, diretor de pesquisas clínicas em medicina cardiovascular do Instituto do Coração do Texas (centro-sul).

O ventrículo esquerdo dos pacientes analisados bombeava menos de 45% do volume normal de sangue.

Os pesquisadores comprovaram que as pessoas que foram tratadas com células-tronco de sua medula óssea apresentaram uma melhoria modesta, mas significativa de 2,7%, do volume de sangue bombeado, em relação aos pacientes não tratados.

Os mais jovens registraram melhores resultados por ter um número maior de células-tronco em sua medula.

As células-tronco foram injetadas no ventrículo esquerdo dos pacientes por meio de um cateter.