Entenda como o pescador faz contagem de pirarucus em lagos da Amazônia

A contagem de pirarucus é a estimativa do número de pirarucus em um lago, feita "no olho", graças à habilidade do pescador ou pescadora. Conhecimento tradicional que foi aliado à ciência e hoje é uma etapa essencial do manejo sustentável da espécie

Da redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Até parece história de pescador, mas não é: contar pirarucu é saber antigo, compartilhado entre gerações na Amazônia rural. A contagem é a estimativa do número de pirarucus em um lago, feita “no olho”, graças à habilidade do pescador ou pescadora. Conhecimento tradicional que foi aliado à ciência e hoje é uma etapa essencial do manejo sustentável da espécie. O Instituto Mamirauá realiza treinamentos para formar contadores de pirarucu e certifica aqueles que estão preparados a seguir na atividade.

“A partir do resultado, o pescador é considerado certificado e já está apto tanto a validar a contagem em suas áreas de manejo como, quando junto a um técnico, orientar novos contadores para a aplicação da metodologia”, explica a coordenadora do Programa de Manejo de Pesca do Instituto Mamirauá, Ana Cláudia Torres.

Conforme Instituto Mamirauá, “a contagem de pirarucu é fundamental para o manejo” (Foto: João Cunha/Divulgação)

Em novembro, foi a vez de mais dezesseis pescadores passarem pela avaliação, que aconteceu entre os dias 19 e 24 no interior da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, no Amazonas. A 6ª edição do “Curso de Certificação de Contadores de Pirarucu” envolveu pescadores de diversas partes do estado, incluindo os municípios de Maraã, Carauari, Coari e Barcelos.

Entenda como é feita a contagem

Posicionados às margens do lago ou em cima de canoas, os contadores anotam quantos pirarucus emergem à superfície da água para “respirar”, movimento chamado popularmente de “boiada”. A contagem acontece durante a vazante dos rios, quando os lagos da região se formam, em áreas de 2 hectares (20 mil metros²) e em períodos de 20 minutos. São registrados apenas pirarucus acima de 100 centímetros de comprimento, de acordo com as diretrizes do manejo sustentável.

Pescadores anotam contagem em blocos de papel (Foto: João Cunha/Divulgação)

“A contagem de pirarucu é fundamental para o manejo, porque fornece a base de dados para o estabelecimento das cotas de pesca a cada ano”, reforça Ana Cláudia. “O manejador interage diretamente com o recurso quando determina o quanto pode ser pescado sem prejudicar a população de pirarucus”. Os dados das contagens são encaminhados ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), que autoriza a taxa anual da pesca manejada de pirarucu.

O método só é possível porque o pirarucu, maior peixe de água doce de escama do mundo, tem respiração aérea obrigatória, precisando subir à superfície em busca de oxigênio. É quando o animal fica visível e a contagem é feita.

Em busca da certificação

Unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o Instituto Mamirauá realiza os cursos de contagem de pirarucus e certificação desde os anos 2000. As capacitações são ministradas por técnicos e pescadores treinados e com longa experiência no manejo.

“Costumamos dizer que o treinamento começa desde a infância do pescador e é uma aprendizagem que culmina na certificação de contadores”, afirma Jovane Marinho, técnico do Instituto Mamirauá. “Todos que chegam ao curso já trazem uma carga de experiências, a equipe técnica oferece orientações sobre a biologia do pirarucu e para a execução da contagem de acordo com a metodologia do manejo”.

Depois da contagem, o grupo devolve os peixes ao habitat natural (Foto: João Cunha/Divulgação)

Na edição 2018 do curso, duas contagens foram praticadas em lagos do setor Jarauá, região pioneira no manejo de pirarucu na Amazônia. Para validar os dados de cada participante, no dia seguinte à contagem, é feito o processo conhecido como “arrasto”: com o auxílio de uma grande rede de pesca, o grupo coleta todos os pirarucus que estão dentro do lago, contabilizam o total, e depois devolvem os peixes ao habitat natural.

O pescador que alcançar uma margem de erro inferior a igual ou inferior a 30% em relação a quantidade de peixes capturados no arrasto, é certificado como um contador oficial de pirarucus.

“Graças a Deus eu consegui a minha certificação, isso foi um prazer enorme pra mim”, diz Valdir Rodrigues, pescador do Rio Unini, do município de Barcelos. “Pra mim foi um grande desafio porque na nossa área lá os lagos não têm capim. Com o capim, a gente não vê o peixe boiar, temos que usar bastante a audição, porque o espaço ‘do limpo’ (sem vegetação) é bem pouco. Mas essa é a terceira vez que eu participo do curso, já tinha me preparado bastante pra essa certificação”.

“As condições mudam de ambiente para ambiente”, comenta a coordenadora do Programa de Manejo de Pesca do Instituto Mamirauá. “Lá no Unini eles têm lagos desprovidos de vegetação. E aqui no Jarauá, o pescador se deparou com lagos repletos de capim. A ideia dessa capacitação é treinar a pessoa, verificar a acurácia dela na contagem, porque com certeza após essa certificação, o pescador estará apto a fazer a contagem não só em sua área origem, mas em qualquer outra pra qual foi convidado a desenvolver seu trabalho”.