Ex-diretor do Inpa, geneticista Warwick Estevam Kerr morre aos 96 anos, em SP

O prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto e a primeira-dama Elisabeth Valeiko lamentaram a morte. Arthur destacou que a trajetória do pesquisador foi grandiosa e determinou luto de três dias

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O agrônomo, geneticista e professor aposentado Warwick Estevam Kerr, morreu nesse sábado (15), em São Paulo, aos 96 anos, vítima de parada cardíaca. Kerr passou por diversas instituições brasileiras, entre elas, o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), onde foi diretor de 1975 a 1979  e também de 1999 a 2002. Em nota de pesar, o prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto, e a primeira-dama e presidente do Fundo Manaus Solidária, Elisabeth Valeiko Ribeiro, lamentaram a morte. Arthur também determinou luto de três dias.

Warwick Estevam Kerr foi diretor do Inpa de 1975 a 1979 e também de 1999 a 2002 (Foto: Divulgação)

O geneticista estava internado em um hospital em Ribeirão Preto, onde morava com a família. Conforme o prefeito Arthur Neto, a trajetória de Kerr foi grandiosa. “Tive e continuarei tendo por Estevam Kerr respeito absoluto. O Brasil e o mundo perdem um de seus maiores gênios. Fica a minha admiração, de minha esposa e de minha família por este destemido homem que nos deixou”, disse Arthur.

Para o prefeito, Kerr era um amazonológo, profundo conhecedor da região. “Antes de conhecê-lo, já o admirava. Tive a felicidade de poder compartilhar momentos e pensamentos sobre seu trabalho. Ele muito fez pela ciência e pelo nosso País. Representou internacionalmente o que nós, brasileiros, temos de melhor. Temos uma referência para as próximas gerações”, declarou.

Warwick Estevam Kerr era considerado uma das maiores autoridades mundiais em genética de abelhas (Foto: Reprodução/Entomologistas do Brasil)

De acordo com a Prefeitura de Manaus, o geneticista se aposentou pela Universidade Federal de Uberlândia em 1992, mas seguiu orientando alunos da instituição até 2012. Pelos seus relevantes trabalhos, Kerr era um dos mais respeitados profissionais de genética no mundo, sendo o primeiro brasileiro a ingressar na Academia de Ciências dos Estados Unidos.

Segundo o Inpa, o cientista era considerado uma das maiores autoridades mundiais em genética de abelhas. Ele foi indicado pela Presidência da República para a direção do instituto, em Manaus, nos anos 70, reassumindo também de 1999 a 2002, períodos em que ele e o prefeito Arthur Virgílio Neto se aproximaram. Em ambas as passagens, Kerr foi grande incentivador de cursos de pós-graduação na área de pesquisa dentro da instituição, criando também a integração entre o instituto e a Universidade Federal do Amazonas (Ufam)”, informou a Prefeitura.

Em nota de pesar, o Inpa afirmou que Warwick Kerr deixa um legado importante  para a ciência e formação de recursos humanos na Amazônia, por suas “inestimáveis contribuições à pós-graduação. “Foi o Dr. Kerr, por exemplo, quem ajudou a trazer para o Inpa vários dos seus atuais pesquisadores, incentivando e apoiando incondicionalmente a fundação de vários Programas de Pós-Graduação, como o PPG em Entomologia, Ecologia e Biologia de Água Doce durante sua primeira gestão no Inpa, assim como o Programa de Pós-Graduação em Genética, Conservação e Biologia Evolutiva (PPG-GCBEv) em sua segunda gestão”, informou o instituto, por meio da assessoria de comunicação.

De acordo com o Inpa, o empenho constante em prol da educação e ciência no Brasil é plenamente demonstrado pela brilhante carreira científica do pesquisador, que atuou em remotas regiões brasileiras, como Maranhão e Amazonas, onde orientou inúmeros estudantes em nível de graduação e pós-graduação e contribuiu efetivamente para as Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) estaduais.

“Dr. Kerr sempre declarou um imenso apreço pela região amazônica, na qual morou por ocasião de suas duas gestões à frente do Inpa, demonstrando satisfação e felicidade por nela estar e compromisso em fazer ciência aplicada à melhoria da qualidade de vida dos povos nativos. Deixa-nos hoje um grande exemplo profissional e um grande amigo. Que Deus o abençoe e o receba de braços abertos”, disse o Inpa.

Em reconhecimento pelo seu trabalho, foi criada com o seu nome Menção Honrosa no Inpa, direcionada aos profissionais que se destacaram com relevantes pesquisas para a ciência. “O Inpa manifesta suas condolências à família e amigos do Dr. Kerr, um homem que deixa sua marca inconfundível de generosidade intelectual e de amor pela ciência”, finalizou o instituto.

Pela morte de Estevam Kerr, o prefeito de Manaus determinou luto oficial de três dias. Conforme a Prefeitura, a publicação estará no Diário Oficial do Município (DOM) de segunda-feira (17).