Marujada de Guerra afina o tom em ensaio com David Assayag

Na noite desta quarta, o Caprichoso realiza o ensaio técnico e passagem de som no Bumbódromo, para fazer os últimos ajustes antes da apresentação no Festival.

Parintins – O Boi-Bumbá Caprichoso realizou, no final da manhã desta quarta-feira, no Curral Zeca Xibelão, em Parintins (a 369 quilômetros de Manaus), um ensaio musical com o levantador oficial David Assayag, os músicos da banda oficial do bumbá e 80 integrantes da Marujada de Guerra de Manaus, recém-chegados à ilha.

O ensaio, segundo o diretor musical do boi azul e branco, Jonedson Ramos, o ‘Baleinha’, serviu para afinar os músicos, o levantador e, principalmente,  os integrantes da Marujada que, no total, é formada por 400 pessoas. “Todo ano tem que ter esse ensaio, porque às vezes nós mudamos alguns tons na última hora aqui em Parintins e as pessoas de Manaus têm que ensaiar junto, para que tudo fique perfeito na arena”, disse.

A banda oficial do azul e branco é formada por 17 músicos. A maioria já toca junto há mais de dez anos e já tem experiência com David, que este ano faz sua estreia como a voz principal do Caprichoso. “A banda já é bem afinada com o David, só falta mesmo fazer alguns ajustes com o pessoal da Marujada”, afirmou.

O ensaio durou pouco mais de uma hora e chamou a atenção de admiradores do bumbá, que não conseguiram ficar parados ao som da Marujada e David Assayag. Ele cantou toadas de anos anteriores que farão parte da apresentação do boi nas três noites do 45° Festival Folclórico, que começa na próxima sexta-feira. Uma delas promete emocionar a galera azul e branca na arena: Amazônia Catedral Verde já está afinada na voz de David e é uma das toadas que vão concorrer ao item Toada, Letra e Música.

Os integrantes da Marujada de Manaus também aproveitaram o ensaio para ajustar algumas batidas. São homens e mulheres que abandonam empregos e família na capital, nesta época do ano, para representar o boi que admiram na arena. Um exemplo é a marujeira Íris Santos Pereira, 34 anos. Ela toca surdo desde 1997 e diz que nada é maior que o amor que ela sente pelo Touro Negro, nem mesmo o peso do instrumento que ela conduz, emocionada. “Não é todo mundo que tem capacidade de tocar esse instrumento tão pesado. É tudo por amor ao Caprichoso e isso não é pra qualquer um”.

Na noite desta quarta-feira, o Caprichoso realiza o ensaio técnico e passagem de som no Bumbódromo, para fazer os últimos ajustes e verificar os preparativos para a apresentação nas três noites do festival.