Projeto que retira lixo do Lago Tarumã-Açu chega a 18ª edição, neste sábado

Os voluntários realizam a ação, sempre no último sábado do mês, aliados ao Stand Up Paddle (SUP). Objetivo é chamar a atenção da população sobre os impactos da poluição

Stephane Simõe/ redacao@diarioam.com.br

Manaus – O projeto Remada Ambiental, que busca recolher resíduos sólidos no Lago Tarumã-Açu, zona oeste de Manaus, realiza a sua 18ª edição neste sábado (25), a partir das 8h, saindo da Marina do Davi, na Ponta Negra, zona oeste da capital. A ação é realizada sempre no último sábado do mês, aliada a um esporte bastante conhecido pelo público manauara, o Stand Up Paddle (SUP), e busca chamar a atenção da população sobre os impactos da poluição por meio do descarte inadequado de resíduos.
A ação é realizada sempre no último sábado do mês, aliada a um esporte bastante conhecido pelo público manauara, o Stand Up Paddle (SUP) (Foto:Reprodução/Facebook)

O professor de SUP Jadson Maciel, criador do projeto, conta que a ação teve origem durante uma de suas aulas, em 2015, quando observou muito resíduo sólido flutuando dentro e nas margens do Lago Tarumã-Açu. Para tentar minimizar o lixo do local, foi realizada, durante a seca do ano de 2015, uma coleta destes resíduos na Marina do Davi, por iniciativa da SupAmazonas e apoiadores.

“Em uma das minhas remadas, eu saí com uma turma, ainda na madrugada. Quando amanheceu o dia, nós nos deparamos com o lago cheio de lixo flutuando. Resolvemos juntar as garrafas plásticas e isopor. Na semana seguinte, a cena se repetiu e aquilo me incomodou, eu percebi que tinha que fazer algo”, disse.
A primeira edição do projeto foi realizada, oficialmente, em 2016, com a ajuda de 22 voluntários. Devido à necessidade, o grupo percebeu que o projeto deveria ser realizado uma vez ao mês, como fazem até hoje. “Nós limpamos tudo numa sexta-feira, quando foi no sábado, já estava tudo sujo de novo. Todo o lixo que a gente tinha juntado parecia que alguém tinha voltado e jogado novamente”, conta.
Todo o lixo que a gente tinha juntado parecia que alguém tinha voltado e jogado novamente”, contao professor. (Foto:Reprodução/Facebook)
Hoje, o projeto conta com 257 voluntários inscritos, além de receber apoio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), que ajudou a formar 15 agentes ambientais, auxiliando na distribuição de material educativo para as pessoas que frequentam o local; da Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp), responsável por ceder as balsas coletoras de lixo; da Cooperativa de Profissionais de Transporte Fluvial da Marina do Davi (Coop-Acamdaf) e Amazônia Ecolazer, que fornecem o transporte para os voluntários.
Todo o lixo coletado na ação é destinado a empresas responsáveis por fazer a reutilização dos sólidos, por meio da logística reversa. O projeto já ganhou repercussão nacional, ao participar de um programa da TV aberta que mostra projetos sociais no Brasil.
Jadson conta que a mensagem que eles queriam passar conseguiu alcançar até mesmo outros estados. “A mensagem que queremos passar é que, quando teu lixo é descartado incorretamente, ele vem parar nos rios, lagos e nascentes”, ressaltou.
Para quem deseja se inscrever como voluntário pode realizar a inscrição através do link: http://goo.gl/k2tXCd. Para mais informações e para quem deseja se tornar parceiro ou apoiador da causa pode entra em contato pelo número (92) 98188-4145 ou 98149-9497.


SIGA-NOS NAS NOSSAS REDES