Em defesa da diversidade, Garantido abre 2ª noite do Festival de Parintins

‘Diversidade e Resistência’ foi o tema escolhido pelo boi-bumbá Garantido para abrir a segunda noite do Festival. Garantido mostrou grandiosidade no Bumbódromo

Édria Caroline / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Um espetáculo de resistência em defesa das diferenças, do respeito e da tolerância. ‘Diversidade e Resistência’ foi o tema escolhido pelo boi-bumbá Garantido para abrir a segunda noite do 53º Festival Folclórico de Parintins.

Com a toada ‘As Cores da Fé’, o boi de Lindolfo Monteverde concorreu ao item de número 11, Toada, letra e Música. Da alegoria do artista Rogério Azevedo, fazendo uma homenagem a todas as manifestações de religiosidade, surgiu a sinhazinha da fazenda Djidja Cardoso.

Em defesa da diversidade, Garantido abre 2ª noite do Festival de Parintins (Foto: Sandro Pereira)

A cantora Márcia Siqueira participou do auto do boi como Mãe Catirina e encenou o fatídico desejo de comer a língua do boi. ‘Matintaperê’, lenda amazônica que conta a história de uma velha senhora do mundo das encantarias que se transforma em uma coruja agourenta, é representada pela rainha do folclore Brenda Beltrão, que concorreu ao item de número 8.

A gigantesca alegoria do ritual indígena, ‘Iniciação Marupiara’, surpreendeu pelos movimentos reais nela inseridos, e trouxe no contexto o pajé André Nascimento e a cunhã-poranga Isabelle Nogueira. Com duas horas e vinte e oito minutos de apresentação, o Garantido encerrou a sua participação na penúltima noite do Festival de Parintins.

Confiante na conquista do título, o presidente Fábio Cardoso afirmou que tudo saiu conforme o planejado pela Comissão de Artes do bumbá. “Trouxemos um tema atual, que merece ser debatido e defendido. Estamos orgulhosos do trabalho realizado. Foi uma apresentação inigualável”, enfatiza. Neste domingo (1), o Garantido abre a terceira e última noite do festival.