Garantido destaca personagens reais e lendas amazônicas, na 3ª noite do Festival

Na figura típica regional, o Garantido fez uma homenagem a Chico Mendes, seringueiro que pagou com a sua vida pela determinação de defender a floresta

Édria Caroline / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Resistir culturalmente em favor de um mundo onde a diversidade cultural seja valorizada e respeitada. Essa foi a mensagem do último ato do tema ‘Auto da Resistência Cultural’, do boi Garantido, no 53° Festival Folclórico de Parintins. A celebração folclórica ‘Consciência e Tradição Cultural’ levou o dono da festa e a porta-estandarte encarnada Edilene Tavares.

O ‘homem-macaco’ que vive pelas matas, protegendo a floresta dos devastadores, foi a lenda amazônica escolhida pelo bumbá para encerrar a edição deste ano, personificado em uma gigantesca alegoria de Juma. O lendário Juma levou para a arena do Bumbódromo a cunhã-poranga Isabelle Nogueira.

Apresentação do Garantido, na terceira noite do Festival Folclórico de Parintins 2018 (Foto: Sandro Pereira)

Um tributo às tribos que habitam o Xingu e resistiram ao contato com os brancos e conseguiram manter viva a força de sua expressão cultural foi o momento da celebração tribal do bumbá.

Na figura típica regional, o Garantido fez uma homenagem a Chico Mendes, seringueiro que pagou com a sua vida pela determinação de defender a floresta. Tocando piano em um módulo alegórico, o levantador de toadas Sebastião Jr emocionou os torcedores encarnados ao entoar ‘Eu Sou a Toada’, do compositor Cézar Moraes.

Para se despedir do festival 2018, o bumbá apresentou o ritual indígena ‘Kuarup, a festa dos mortos’, realizado pelas etnias do Alto Xingu. Representando Mavutsinim, o pajé André Nascimento, que neste ano realizou seu vigésimo festival, encenou um dos rituais mais emblemáticos do mundo indígena.

O vice-presidente do Garantido, Messias Albuquerque, diz que as três noites saíram conforme o planejamento da Comissão de Artes, e que o bumbá conseguiu passar o seu recado sobre a resistência cultura. “O Garantido fez o melhor festival dos últimos anos, a sensação é de dever cumprido. Tenho certeza de que seremos campões”, diz, confiante, Messias.

Apresentação do Garantido, na terceira noite do Festival Folclórico de Parintins 2018 (Foto: Sandro Pereira)