PGM aplica provas para seleção de advogados para residência jurídica

Exame é realizado em única etapa, dividida em duas provas, sendo a primeira objetiva, composta por 40 questões, e a segunda subjetiva, contendo duas questões discursivas. Bolsa auxílio será de R$ 2.500

Com informações da assessoria / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A Procuradoria Geral do Município de Manaus, aplica neste domingo (27), o primeiro Exame de Seleção de Candidatos para o Programa de Residência Jurídica. O exame é realizado em única etapa, dividida em duas provas, sendo a primeira objetiva, composta por 40 questões, e a segunda subjetiva, contendo duas questões discursivas.

PGM aplica provas para seleção de advogados para residência jurídica (Foto: Marinho Ramos/ Semcom)

O valor da bolsa auxílio será de R$ 2.500/mês, com validade de um ano, prorrogável por igual período. As provas começaram às 13h, na Universidade Nilton Lins, zona centro-sul.

É a primeira vez que a PGM abre seleção para provimento de vagas de residência e, segundo a presidente da Comissão organizadora do certame, Adriana Carla Cromwell, as inscrições superaram todas as expectativas. “O número de candidatos surpreendeu a comissão organizadora, já que tivemos 1.118 inscritos”, afirmou.

No total, 93 pessoas conseguiram a isenção da inscrição por terem preenchidos os requisitos constantes no edital. “O programa oportuniza aos jovens bacharéis estudarem disciplinas importantes para a prática diária do novo profissional, dando uma experiência que não se adquire nos bancos das faculdades”, disse a subprocuradora adjunta do município, Ana Beatriz Passos.

Nas provas constam questões das disciplinas de Direito Constitucional, Direito Administrativo e Direito Processual Civil e os candidatos devem produzir, com base nos temas formulados pela banca, textos dissertativos, primando pela coerência e coesão. O resultado do gabarito será divulgado pela PGM, em tempo hábil, junto ao cronograma dos próximos passos do processo seletivo.

Há dois anos atuando na área jurídica, o advogado David Said, 30, disse que decidiu participar para ter a experiência no âmbito municipal. “A PGM já desenvolve um trabalho muito bom na advocacia pública e eu decidi migrar do âmbito privado para ter essa experiência e espero conseguir”, comentou.

Para a advogada Ivanete Guedes, 25, o certame é uma oportunidade de ter a experiência que não é possível adquirir na faculdade. “Eu acredito que essa experiência de trabalhar diretamente com os procuradores vai enriquecer a minha profissão”, afirmou.

Para a realização do exame, a PGM preparou uma equipe para acompanhar os candidatos com deficiência durante as provas. É o caso do cadeirante e advogado, Verner de Albuquerque. “Essa oportunidade que está sendo aberta para os bacharéis em direito é ótima. Quando saímos da faculdade é muito difícil o mercado de trabalho, então é uma experiência que vai contar muito para o currículo e eu gostei do atendimento e do suporte que a PGM preparou para mim”, contou.