Aeroporto Eduardo Gomes tem o litro de QAV mais caro, segundo a Abear

O litro do querosene de aviação (QAV) disponível para abastecer o Aeroporto de Manaus está custando, em média, US$ 1,41 em voos domésticos

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O querosene de aviação (QAV) disponível para abastecer o Aeroporto Eduardo Gomes, em Manaus (AM), é um dos mais caros do Brasil, com o litro custando, em média, US$ 1,41 em voos domésticos, segundo o Panorama 2017 da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), conjunto de dados e análises da aviação comercial brasileira.

(Foto: Joiseane Caldeira/Divulgação/Arquivo)

Para se ter uma ideia da diferença de custos do QAV no Brasil e no mercado externo, o combustível custa US$ 0,56 no aeroporto internacional Barajas-Madri (Espanha), um dos mais movimentados do mundo. O valor cobrado em Manaus é 151% mais elevado.

“O Brasil é o único país que tem cobrança de um imposto regional (ICMS), sobre o querosene de aviação, cuja alíquota varia de 12% a 25%, dependendo do Estado”, ressalta Eduardo Sanovicz, presidente da Abear.