Alta da produção do Polo Industrial de Manaus perde a força

Em junho, a produção perdeu ritmo e caiu 1,1% comparado a maio, uma das duas únicas quedas entre os 15 locais pesquisados pelo IBGE. No segundo trimestre, a taxa passou de 24,3% para 7,2%

Beatriz Gomes / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A fabricação de bebidas no Polo Industrial de Manaus (PIM) foi a principal responsável pelo aumento na produção industrial do Amazonas pelo décimo primeiro mês consecutivo. De acordo com a pesquisa mensal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no primeiro semestre e nos últimos 12 meses, a atividade registrou os melhores resultados do País, 15,6% e 10,8%, respectivamente.

Na passagem de maio para junho, a produção caiu 1,1%, um dos dois únicos recuos entre os 15 locais pesquisados. (Foto: Sandro Pereira)

Mas o ritmo da produção perde força. No segundo trimestre de 2018, houve redução da atividade industrial em dez dos 15 locais pesquisados, com destaque para Amazonas, que passou de 24,3% no primeiro trimestre para 7,2%, no segundo.

Na comparação com junho de 2017, a produção industrial local teve crescimento de 4,2%. Ficando com o quinto melhor desempenho nessa comparação, atrás apenas do Pará (13,3%), Pernambuco (10%), Paraná (9,7%) e Bahia (9%).

Já na passagem de maio para junho, a produção industrial do Amazonas sofreu uma queda de 1,1%, um dos dois únicos recuos registrados entre os 15 locais pesquisados. Junho foi o décimo primeiro mês seguido de crescimento da industria amazonense, na comparação com igual mês do ano anterior. No entanto, foi o menor desempenho no ano.

A fabricação de bebidas foi a atividade que registrou o melhor desempenho em junho, comparado a junho do ano passado, com 37,5%. Entre as dez atividades industriais, apenas três tiveram crescimento no mês. O indicador positivo, na comparação com igual mês de 2017, foi potencializado pela maior produção de gás natural, xarope, cerveja, chope, nafta, óleos combustíveis e gás.

Entre as atividades com desempenho negativo, na mesma comparação, destaque para fabricação de máquinas e equipamentos (-37%), fabricação de produtos de borracha e material plástico (-33%).

O índice de média móvel trimestral foi positivo em 11 dos 15 locais pesquisados, com destaque para Paraná (2,6%), Pernambuco (2,2%), Região Nordeste (1,9%) e Pará (1,4%). As quedas mais intensas foram no Amazonas (-3%), Mato Grosso (-1,1%) e Espírito Santo (-1%).

Nacional

Com alta de 13,1% da produção industrial nacional, 13 dos 15 locais pesquisados tiveram taxas positivas de maio para junho de 2018, na série com ajuste sazonal.

As maiores altas foram no Paraná (28,4%), Mato Grosso (25,6%), Goiás (20,8%), Rio Grande do Sul (17,0%), Santa Catarina (16,8%), São Paulo (14,8%) e Pernambuco (13,5%). Já as duas quedas de junho foram no Espírito Santo (-2%) e no Amazonas (-1,1).

Na comparação com igual mês de 2017, o setor industrial cresceu em 11 dos 15 locais pesquisados.