AM é o 3º do País em aumento de linhas móveis de telefonia

No acumulado de janeiro a novembro do ano passado, o Amazonas registrou um aumento de 117,7 mil linhas móveis, segundo a Anatel

Beatriz Gomes / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O Amazonas registrou o terceiro maior crescimento de linhas móveis no País, 3,41%, no acumulado de janeiro a novembro de 2018, o que corresponde a um aumento de 117,7 mil linhas no período. Segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), no acumulado de 12 meses, o Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas, uma queda de 3,04%.

No total, em novembro, o Amazonas registrou 3,5 milhões de linhas de celulares, enquanto em novembro do ano passado, esse total era de 3,4 millhões. Com relação a outubro, houve aumento de 13,4 mil linhas. Nessa comparação, o serviço de telefonia móvel do País perdeu 1,5 milhão de linhas, o que equivale a recuo de 0,65%. Foi a maior queda do ano.

Apenas em novembro do ano passado, o Amazonas registrou 3,5 milhões de linhas de celulares (Foto: Eraldo Lopes/RDC)

Nos últimos 12 meses, os Estados que apresentaram crescimento no número de linhas móveis foram: Roraima com saldo de 32.527 linhas (6,75%); Amapá, com saldo de 28.327 linhas (4,02%); Amazonas, 117.787 linhas (3,41%); Espírito Santo, 23.789 (0,63%); São Paulo, 356.839 linhas (0,57%); e o Acre apresentou saldo de 820 linhas, aumento de 0,11%.

Participações

As maiores participações de mercado no Brasil ocorrem no Estado de São Paulo, com 62.968.682 linhas móveis em operação (27,16% do mercado), em Minas Gerais, com 21.887.708 linhas (9,44% do mercado), e no Rio de Janeiro, com 19.858.419 linhas (8,56% do mercado).

Entre grandes empresas, a Telefônica (Vivo) foi a operadora com maior quantidade de clientes, com 73.605.812 linhas. Em segundo lugar ficou a Claro, com 58.873.132 linhas; em terceiro, a Tim, com 56.016.292 linhas; e, na quarta posição, a Oi, com 37.411.881 linhas.

Modalidade

Entre as linhas móveis, em novembro, foram registradas 133,3 milhões de linhas pré-pagas (57,53%) e 98,4 milhões de linhas pós-pagas (42,46%). De outubro para novembro, a quantidade de linhas pré-pagas diminuiu em 2,9 milhões e a quantidade de linhas pós-pagas aumentou em 1,4 milhão. Na comparação com novembro de 2017, houve uma redução de 18,7 milhões de linhas pré-pagas e aumento de 11,4 milhões linhas da modalidade pós-pagas.