Até novembro, Polo Industrial de Manaus fatura mais que 2017

Bens de Informática, Duas Rodas e Termoplástico puxaram resultado positivo no faturamento do Polo Industrial de Manaus, no acumulado de janeiro a novembro de 2018

Da redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – No acumulado de janeiro a novembro de 2018, o Polo Industrial de Manaus (PIM) faturou R$ 85,7 bilhões, um crescimento de 13,90% em relação ao mesmo intervalo de 2017 (R$ 75,2 bilhões), que no mesmo período havia registrado alta de 10,38%, com relação ao ano anterior. De acordo com os indicadores da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), o montante acumulado até novembro do ano passado já supera (em 4,46%) o faturamento total obtido em 2017, em moeda nacional (R$ 82,07 bilhões). Por outro lado, durante o acumulado até novembro foram encerradas 838 vagas de trabalho.

Em dólar, o faturamento acumulado de janeiro a novembro ficou estável com leve queda de 0,30% totalizando US$ 23,5 bilhões. O segmento eletroeletrônico teve a maior participação no resultado global de faturamento do PIM, com R$ 24,4 bilhões até novembro, respondendo por 28,50% do total. Em seguida, estão os segmentos de Bens de Informática (R$ 18,1 bilhões), com participação de 21,17% , e Duas Rodas (R$ 12,04 bilhões), com 14,05%.

Entre os itens com maior crescimento, destacam-se condicionador de ar tipo janela (84,52%); telejogo (48,95%) e microcomputador portátil (42,57%) (Foto: Eraldo Lopes/RDC)

Os setores que apresentaram crescimento na comparação entre o acumulado de janeiro a novembro de 2018 e o mesmo intervalo de 2017 foram: Bens de Informática do Polo Eletroeletrônico (17,75%); Duas Rodas (20,75%); Termoplástico (21,65%); Bebidas (15,98%); Metalúrgico (20,25%); Papel e Papelão (17,34%); Químico (19,57%); Produtos Alimentícios (34,25%); e Mobiliário (17,07%).

O incremento de faturamento em relação a 2017 foi avaliado como positivo pelo superintendente da Suframa, Appio Tolentino. “É mais uma prova de resiliência do modelo no enfrentamento de crises. Esperamos que essa retomada de crescimento seja consolidada em 2019”, disse.

Mão de obra

Em novembro, foi registrada a marca de 87.596 trabalhadores, entre efetivos, temporários e terceirizados. O número é 0,68% menor que o total de vagas registrado em outubro (88.208) e 2,76% inferior que o registro de mão de obra de novembro de 2017 (90.083). Já a média mensal acumulada até novembro é de 87.974 empregos, o que representa 1,25% de acréscimo na comparação com a média de empregos do ano de 2017 (86.883). Até o penúltimo mês do ano ocorreram 21.603 admissões e 22.441 demissões, com déficit de 838 vagas no Polo Industrial.

Entre os produtos com maior crescimento no período, em relação ao ano anterior, destacam-se: condicionador de ar tipo janela (84,52%); telejogo (48,95%) e microcomputador portátil (42,57%).