Comércio varejista do AM teve maior queda do País, afirma CDLM

Resultado de abril frente a março foi o pior do Estado, porém, na comparação com igual mês de 2017 ficou estável. Lojistas locais ainda avaliam efeitos das greves dos caminhoneiros e rodoviários

Da redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Em abril de 2018, o volume de vendas do comércio varejista do Amazonas teve uma queda de 8,5% frente a março, na série com ajuste sazonal, após avançar 3,9% de março para fevereiro. Com isso, a média móvel trimestral ficou negativa em 1,1%, bem abaixo do trimestre anterior, encerrado em março (2,3%). O fraco desempenho nas vendas do mês levou o Estado ao pior resultado entre todas as Unidades da Federação do País.

Na relação entre março e abril, o Amazonas teve o pior índice do País. (Foto: Sandro Pereira)

O presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Manaus (CDLM), Ralph Assayag, confirma que abril foi um mês de retração no consumo. “É verdade. Em abril, nós tivemos uma queda, em relação a março, mas em relação a abril do ano passado ainda conseguimos superar em 1% e o trimestre ainda ficou positivo. A preocupação é o segundo trimestre, porque tivemos a paralisação dos caminhoneiros e depois dos rodoviários, e estamos levantando o que vai acontecer”, avaliou.

A CDLM indica que, no primeiro trimestre, houve crescimento de 2,7% nas vendas.

Na série, sem ajuste sazonal, o comércio varejista teve pequena queda de 0,1% em relação a abril de 2017. Foi a primeira queda em 15 meses, embora menos acentuada que na última, em dezembro de 2016 (-3,8%). Com o resultado, sem o ajuste sazonal, a variação acumulada no ano (janeiro a abril) ficou em 8,5%, levando o Amazonas ao 6º melhor desempenho no ano entre os Estados. Já a variação dos últimos 12 meses declinou um pouco, mas permaneceu positiva em 9,2%.

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, o volume de vendas variou negativamente em 1% em relação a março e a média móvel trimestral ficou em 0,1% no trimestre encerrado em abril. Frente a abril de 2017, ficou em 12,2%, décima sexta taxa positiva consecutiva, acumulando ganho de 14,4% no ano. O acumulado nos últimos 12 meses (15,5%) mantém trajetória ascendente iniciada em julho de 2017 (0,2%).

Na passagem de março para abril de 2018, as vendas no comércio varejista avançaram em 14, das 27 Unidades da Federação, com destaque, em termos de magnitude de taxa, para São Paulo (3,6%), Rondônia (2,8%) e Espírito Santo (1,8%), enquanto Pernambuco, Alagoas e Ceará registraram estabilidade (0,0%).

As vendas do comércio varejista ampliado aumentam em 19 das 27 atividades, com destaque para Espírito Santo (4,0%), Sergipe (3,7%) e Paraíba (3,6%). O maior recuo se deu no Acre, com queda nas vendas ampliadas de 4,8%.