Construção, autos e energia devem ajudar o PIB em 2018

Importantes setores da atividade econômica começam a se recuperar da crise e retomar o fôlego

Agência Estado - redacao@diarioam.com.br

São Paulo – Setores da economia que garantiram a reação da arrecadação em 2017, como a indústria automotiva, química, construção civil, energia e de alimentos, devem puxar o crescimento da economia ao longo deste ano, segundo o Ministério do Planejamento.

A recuperação já começou a atingir a indústria automobilística. (Foto: Agência Estado)

A recuperação já começou a atingir a indústria automobilística. No ano passado, a produção do setor subiu 25,2%, depois de três anos de retração, enquanto as vendas no mercado interno subiram 9,2%, a primeira alta desde 2012. O ano de 2018 também será bom para a indústria.

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) prevê que as vendas devem aumentar 11,7% neste ano no País, e a produção, 13,2%.

O setor de energia elétrica deve ter uma recuperação semelhante, mas um pouco inferior à projetada pelo governo. De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Nelson Fonseca Leite, o consumo de energia deve registrar crescimento de 3,2% neste ano. Esse cenário considera que o PIB deve registrar uma elevação entre 2% e 2,5%. Mas o resultado pode ser melhor se a economia crescer mais, como esperam os analistas.

“Realmente tivemos um crescimento maior no consumo de energia no quarto trimestre do ano passado, impulsionado pelo consumo da indústria”, afirmou Leite. Depois de dois anos consecutivos de redução, o consumo subiu 0,8% em 2017, retomando os níveis verificados em 2015. O resultado só não foi maior, disse o executivo, porque os primeiros meses de 2017 foram mais fracos.

O presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), Fernando Figueiredo, disse que as vendas de produtos químicos no mercado interno tiveram alta de 6% no ano passado, mas o maior destaque veio dos produtos importados. Enquanto a produção nacional aumentou 1,85% em 2017, as importações tiveram alta de 21% nas vendas e atingiram participação recorde de 38% no mercado interno. Para se ter uma ideia, na década de 1990, essa fatia era de 7%.

Figueiredo, no entanto, está otimista. Segundo ele, nos últimos 25 anos, o consumo aparente de produtos químicos cresceu, em média, 25% acima do PIB. “Então, se o País crescer, nós também crescemos”, disse o presidente da Abiquim.

Já para o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, essa recuperação econômica ainda não atingiu o setor. “Os financiamentos caíram 7% no ano passado. No último trimestre, continuamos perdendo empregos”, disse.



SIGA-NOS NAS NOSSAS REDES