Estácio vai demitir 1,2 mil professores com salários considerados ‘acima do mercado’

Em nota, empresa afirma que vai lançar um cadastro reserva de docentes para atender possíveis demandas nos próximos semestres

Estadão Conteúdo / redacao@diarioam.com.br

São Paulo – O grupo educacional Estácio, segunda maior rede de ensino superior do País, vai demitir este mês 1,2 mil professores de seu quadro de 10 mil docentes, de acordo com fontes próximas  à companhia. Oficialmente, a empresa confirma as demissões, mas não o número de profissionais demitidos.

Estácio vai demitir 1,2 mil professores com salários considerados ‘acima do mercado’ (Foto: Reprodução)

Segundo nota divulgada nesta terça-feira, 5, o processo envolveu o desligamento de profissionais da área de ensino do grupo e o lançamento de um cadastro reserva de docentes para atender possíveis demandas nos próximos semestres, de acordo com as evoluções curriculares.

Em nota, a companhia afirmou que realizou uma “reorganização de sua base de docentes” que envolveu o desligamento de profissionais e o “lançamento de um cadastro de reserva de docentes para atender possíveis demandas nos próximos semestres.”

De acordo com as fontes próximas à companhia, a justificativa da empresa para as demissões  seria o fato de que a hora/aula de vários professores do grupo estava acima dos preços praticados pelo mercado.

“É importante ressaltar que todos os profissionais que vierem a integrar o quadro da Estácio serão contratados pelo regime CLT, conforme é padrão no Grupo. A reorganização tem como objetivo manter a sustentabilidade da instituição e foi realizada dentro dos princípios do órgão regulatório”, diz a empresa, em nota.



SIGA-NOS NAS NOSSAS REDES