Taxa de endividamento cai entre as famílias, em dezembro

As famílias com dívidas eram 59,8% em dezembro de 2018, a segunda queda consecutiva, abaixo dos 60,3% de novembro e dos 62,2% de dezembro de 2017

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Brasília – Os percentuais de famílias endividadas e inadimplentes no Brasil fecharam 2018 em queda, segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). As famílias com dívidas eram 59,8% em dezembro de 2018, a segunda queda consecutiva, abaixo dos 60,3% de novembro e dos 62,2% de dezembro de 2017.

Já os inadimplentes, ou seja, aqueles com dívidas ou contas em atraso, somaram 22,8% em dezembro do ano passado, abaixo dos 22,9% do mês anterior e dos 25,7% de dezembro de 2017.

A proporção das famílias que disseram estar muito endividadas recuou para 12,4% em dezembro (Foto: Sandro Pereira/RDC)

Outro indicador em queda foi o percentual de famílias que não terão condições de pagar suas dívidas ou contas: de 9,7% em dezembro de 2017 e 9,5% em novembro de 2018 para 9,2% em dezembro de 2018.

A proporção das famílias que disseram estar muito endividadas recuou de 12,8% em novembro para 12,4% em dezembro.

O cartão de crédito foi apontado como a principal dívida por 78,1% das famílias endividadas, seguido por carnês, para 14,7%, e, em terceiro, financiamento de carro, para 10,2%.

Segundo a CNC, os resultados refletem o ritmo lento de recuperação do consumo e cautela das famílias na contratação de novos empréstimos e financiamentos, no segundo semestre do ano. Houve também queda no comprometimento médio de renda com o pagamento de dívidas e do percentual de famílias que relatam endividamento elevado.

As taxas de juros em patamares mais baixos também foram um fator favorável, assim como a sazonalidade do período, com o recebimento do décimo terceiro salário, que também favoreceu o pagamento de contas em atraso.

O número de famílias endividadas apresentou tendências distantes entre as faixas de renda pesquisadas, em ambas as bases de comparação, mensal e anual. Para as famílias que ganham até dez salários mínimos, o percentual de famílias com dívidas alcançou 60,8% em dezembro de 2018, inferior aos 61,5% de novembro de 2018 e aos 63,7% de dezembro de 2017. Para as famílias com renda acima de dez salários-mínimos, o percentual aumentou nas três comparações e fechou dezembro de 2018 em 55,8%. Em dezembro de 2017, o percentual de famílias com dívidas nesse grupo de renda era de 54,6%.

Entre as famílias com contas ou dívidas inadimplentes, o tempo médio de atraso foi de 63,5 dias em dezembro de 2018, abaixo dos 64,3 dias de dezembro de 2017. O tempo médio de comprometimento com dívidas entre as famílias endividadas foi de 6,9 meses.

O cartão de crédito continua sendo o principal responsável pelas dívidas porque 78,1% das famílias com contas atrasadas devem a ele.