Taxistas abrem mão de cobrar bandeira 2 no mês de dezembro, em Manaus

Pelo segundo ano consecutivo, a disputa dos taxistas pelos passageiros com os aplicativos de mobilidade fez a categoria decidir por não cobrar a corrida com acréscimo de 30%, em dezembro

Beatriz Gomes / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Tão tradicional quanto panetone no Natal, era a cobrança da bandeira 2 pelos taxistas nessa época do ano. Mas, pelo segundo ano consecutivo, a concorrência com os aplicativos fez com que os motoristas de táxi desistissem do acréscimo de 30% no valor da corrida, que garantia o 13º salário da categoria.

Mesmo estando prevista em lei, a decisão sobre a cobrança deve partir do próprio motorista que sabe que a situação está difícil e não é mais como há algum tempo, em que não havia concorrência, explica o presidente do Sindicato dos Taxistas de Manaus (Sintaxi), Luiz Augusto Aguiar. “No ano passado, já fizemos uma ação de permanência da bandeira 1 e, apesar da bandeira 2 ser lei, muitos taxistas estão trabalhando sem cobrar. Mas, a decisão é do motorista, as cooperativas ou empresas de taxi não podem obrigar”, afirma

Historicamente, a bandeira 2 era o ‘13º salário’ da categoria (Foto Reinaldo Okita/RDC)

A lei garante que, a partir de 1º de dezembro, os motoristas de táxi podem acrescentar 30% ao valor total da corrida, fora a bandeirada inicial de R$ 4. A estimativa do sindicato é que 80% dos taxistas vão aderir ao menor preço. “Ou o motorista vai aderir ou fica no ponto. Antigamente, era muito bom, mas agora a concorrência é muito desleal, a pirataria é muito grande, tem lotação, mototaxi pirata, aplicativos”, disse.

O sindicato representa, aproximadamente, 4 mil taxistas da capital amazonense. Para tentar driblar a concorrência, eles lançaram, em parceria com a Prefeitura, o aplicativo ‘táxi manaus’ que está com 30% de desconto no valor final da corrida. “São carros seguros, com motoristas credenciados pela Prefeitura, uma segurança a mais nessa época em que a violência cresce”, destacou.

O decreto nº 3.286 regulamenta a Lei Municipal nº 2.088, de 30 de dezembro de 2015, que legaliza a utilização da bandeira 2 a partir do primeiro dia de dezembro. A lei foi aprovada com o objetivo de garantir uma espécie de abono para a categoria nessa época do ano. Aos sábados e domingos e a partir das 22h em dias úteis, a bandeira mais cara também é garantida por lei.

Para a turista de São Paulo, Isadora Pontes, 37, a iniciativa é muito boa para o consumidor que ganha mais alternativas para a viagem. “Esse é um período concorrido, que muitas pessoas utilizam transporte individual para levar compras, então quanto mais opções de preço, melhor”, destacou.

No ano passado, os motoristas de táxi chegaram a identificar os veículos com adesivos que indicavam a cobrança da bandeira normal e a estimativa é que metade aderiu.