Halterofilista do AM supera três hérnias de disco para competir em campeonato

Thiago Henrique de Jesus superou três hérnias de disco para competir entre os adultos no Brasileiro da modalidade

Natasha Pinto / vencer@diarioam.com.br

Manaus – As lesões acompanham a vida de atletas de alto rendimento. Luxações, tendinites e entorses são as mais comuns até mesmo em atletas de fim de semana, mas três hérnias de disco fariam muitos desistirem da prática esportiva. Essa é a história do halterofilista amazonense Thiago Henrique de Jesus, 20, medalhista brasileiro na categoria juvenil, na categoria até 81kg, e que visa ganhar destaque na categoria adulto nesta temporada.

“Esse ano será de desafios para mim. Vou ser um dos mais novos na categoria adulto e estarei disputando com a elite nacional da modalidade. Mas meu técnico, Orácio Reis, irmão do melhor halterofilista do país, Fernando Reis (5º lugar nos Jogos Olímpicos de 2016, 4º lugar no Mundial de 2018 e recordista das Américas da categoria acima de 105 kg), acredita que vou me sair bem”, disse o atleta.

Livre de lesões, Thiago é uma das apostas amazonenses nesta temporada do halterofilismo no Brasil (Foto: Divulgação)

Com falta de competições no calendário local, o atleta terá que procurar disputa em outros Estados do País, em preparação ao Campeonato Brasileiro Adulto, que acontece em agosto. “Essa é a competição principal do ano. Antes dela, pretendo viajar para o Maranhão, São Paulo e Pará, para poder avaliar meus treinamentos e sentir o nível dos atletas”, completou.

Desportista nato

Thiago iniciou a vida esportiva no atletismo, quando tinha 13 anos, na Vila Olímpica de Manaus, onde se destacou nas modalidades de arremesso de peso e lançamento de disco. “Eu me destaquei nas provas de força. Mas o arremesso de peso não é só força, foi quando chegou um momento em que a minha altura pesou e não consegui me destacar tanto. Então surgiu a oportunidade do levantamento de peso, em que os ‘baixinhos’ têm certa vantagem e eu consegui me destacar”, explicou o atleta.

Ainda no atletismo, o atleta foi diagnosticado com três hérnias de discona L3 e L4, L4 e L5, além da L5 e S1. Thiago fez um tratamento para estabilização da coluna que durou cerca de dois anos, com até então fisioterapeuta do Centro de Alto Rendimento do Amazonas (CTARA), Leonardo Corrêa.

“Foram quase dois anos de fisioterapia. Para não ter que operar, o fisioterapeuta precisou estabilizar a minha coluna, para não me machucar. E foi difícil, porque eu sentia muita dor praticamente todo dia, então a vontade de desistir foi muito grande. Mas o Leonardo conversou muito comigo neste processo e, com o tempo, as dores foram passando e consegui me recuperar e voltar a competir em alto nível. Hoje, faço agachamento com pesos e não sinto nada (risos)”, brinca o atleta.

Estudos e treinos

Thiago Henrique não é diferente de muitos atletas que praticam o esporte de alto rendimento no Amazonas. Para conseguir ser um dos melhores do país na modalidade, o amazonense divide o dia em estudar Educação Física, treinar e trabalhar.

“Entro na faculdade na Constantino Nery às 8h e saio às 11h30. Vou caminhando até onde treino que é meu patrocinador, a CFPN Corssfit no Vieiralves, até 13h30 e depois vou para o meu trabalho como estagiário no Parque das Laranjeiras”, contou.

Mesmo com tanto sacrifício, revela que não sabe de onde vem tanta determinação para continuar no esporte. “Eu não me acho uma atleta talentoso, eu sou muito persistente. Para mim, minha força de vontade é meu talento.

Tenho um psicológico muito forte que faz diferença nos treinos e competições. Gosto de pensar que o esporte não é só o talento que conta”, finalizou.