Série B do Amazonense terá times novatos e jogos apenas no interior

Nacional Borbense e Manaus Futebol Clube são as novidades do torneio que inicia no dia 7 de setembro. Campeão e vice da Série B conquistam acesso a elite do Estadual.

Manaus – A Federação Amazonense de Futebol (FAF) recebeu, na quinta-feira (4), representantes dos cinco clubes definidos para disputar a Série B do Estadual. O presidente da entidade, Dissica Valério, estava no encontro para mediar alguns detalhes. Uma das novidades é a estreia de dois times: o Nacional Borbense e o Manaus Futebol Clube – que apesar do nome, vai mandar os jogos em Rio Preto da Eva.

A Série B, aliás, vai ser toda jogada no interior. Segundo time da capital no campeonato, o Cliper ‘alugou’ a equipe profissional para um empresário de Tefé, cidade onde os jogadores ficarão sediados. O novo responsável pelo time, Carlos Cunha, declarou que conversa com os prefeitos de Tefé e Maraã para a utilização dos estádios municipais. Operário, de Manacapuru, e o CDC, de Manicoré, completam a tabela.

A abertura da Série B será no dia 7 de setembro. Serão duas fases em formato de pontos corridos, terminando no dia 23 de novembro. O campeão de cada turno avança à primeira divisão. “A princípio todos os jogos serão aos sábados, mas pode haver concessões. Por exemplo, se um time viajou para um município e tem outro jogo perto dali na próxima semana, podemos conversar para adiantar essa partida, evitando que o clube precise retornar para a sede e viajar outra vez”, afirmou Dissica.

O presidente da FAF evitou falar sobre um possível apoio financeiro do Governo do Estado para o certame. Ele disse que precisava, primeiro, tratar o assunto com os dirigentes.

Série B permanece

Dissica ainda disse já ter conversado com o presidente do Rio Negro, Thales Verçosa, sobre a proposta de extinção da Série B no ano que vem. Para o presidente da FAF, a medida é inviável. “Não dá para extinguir uma série que tem cinco clubes”.