Após nova PEC, primos criam aplicativo para controlar ponto de domésticas

Atualmente, a empresa tem 200 clientes cadastrados e, segundo Guilherme, o programa não tem restrição regional.

Manaus – A nova legislação que ampliou os direitos trabalhistas das domésticas deixou as donas de casa com diversas dúvidas em relação à jornada de trabalho e ao pagamento de suas empregadas. Promulgada em abril, a proposta de emenda à constituição (PEC) determina medidas que já entraram em vigor como a jornada máxima de 44 horas semanais – ou 8 horas diárias de trabalho – e pagamento de hora extra.

Os cálculos dos benefícios podem confundir a dona de casa, que às vezes recorre a um profissional para realizar a folha de pagamento da sua funcionária. No entanto, como seria se um aplicativo permitisse o controle do ponto da doméstica, além de registrar suas jornadas de trabalho e calcular as horas extras automaticamente?

Foi pensando em deixar a caneta e o papel rabiscado com cálculos de lado que Guilherme e Otávio Lucinda criaram o aplicativo para celular MobPonto Domésticas.

 Formados, respectivamente, em Ciências da Computação e Designer Gráfico, os primos viraram sócios na empresa MobTech em Belo Horizonte, no estado de Minas Gerais. O aplicativo surgiu como solução para a mãe de Otávio que enfrentava dificuldades no acompanhamento das horas trabalhadas de sua empregada.

“Depois de conversar muito com ela, tivemos a ideia de criar este aplicativo para facilitar o controle das horas tanto para a mãe de Otávio como para as empregadas”, disse Guilherme Lucinda.

O sistema funciona em celulares de baixo custo com acesso a internet que tem suporte à programação Java e permite o controle do ponto de até quatro funcionários. A empregada registra os horários de entrada, ida e retorno do almoço e saída do trabalho no aparelho. Os dados são enviados ao site da Mobtech e o cliente pode acompanhar em tempo real a jornada do empregado acessando seu cadastro de cliente.

“Qualquer operadora pode rodar o aparelho. Estamos também próximos de lançar a versão para Android, que vai usar a função de GPS para realizar o ponto da empregada”, explicou Guilherme.

Para obter o aplicativo, o cliente cria um cadastro no site www.mobponto.com.br e depois recebe um e-mail com informações de como instalar o programa no aparelho.

O sistema oferece um período de avaliação gratuita por 30 dias e, após este período, o cliente paga um valor mensal de R$ 19,90. Guilherme informou, ainda, que a empresa pretende criar planos diferentes.

“Estamos pensamos em planos diferenciados em breve, que terão valor mensal por volta de 4,99 para um empregado”.

Atualmente, a empresa tem 200 clientes cadastrados e, segundo Guilherme, o programa não tem restrição regional.

“Temos clientes de diversas regiões do Brasil, como por exemplo, Fortaleza, Brasília, Minas Gerais, São Paulo, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, entre outras. Nosso aplicativo é para funcionamento no Brasil inteiro ou até mesmo fora do país. O cliente tendo um celular e acesso a internet consegue utilizar o aplicativo normalmente de qualquer lugar que esteja”, disse Guilherme

 Guilherme afirmou que os clientes estão aprovando a facilidade da relação de trabalho proporcionada pelo aplicativo. Ele revelou que as estimativas de lucro para o MobPonto este ano somam de R$ 50 mil a R$ 70 mil com uma média de 500 clientes.

“Para 2014, pretendemos chegar R$ 200 mil anuais, chegando a uma marca próxima de 1 mil clientes”.

 

 



SIGA-NOS NAS NOSSAS REDES