Comitê de Combate ao Caixa Dois reúne com Dom Sérgio Castriani e traça estratégias para o segundo turno

Girlene Medeiros / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O Comitê de Combate à Corrupção e Caixa Dois informou, nesta sexta-feira (11), ter recebido 24 denúncias de irregularidades durante as votações do primeiro turno das eleições suplementares para governador do Amazonas, que ocorreu no último domingo (6). Dessas denúncias, conforme o comitê, dez foram convertidas em representação na Procuradoria Regional Eleitoral do Ministério Público Federal (MPF) e as outras foram usadas como sugestões ao Tribunal Regional Eleitoral do Estado (TRE-AM).

Integrantes do comitê comentaram o índice de abstenções registrado no primeiro turno (Foto: Girlene Medeiros/Divulgação)

“Várias denúncias se transformaram em ações e a Justiça Eleitoral puniu políticos que praticaram crimes eleitorais”, afirmou um dos coordenadores do comitê, o advogado Carlos Santiago. De acordo com ele, uma das ações do comitê para o segundo turno dessas eleições suplementares é a solicitação para que os candidatos exibam publicamente informações sobre a origem do dinheiro empregado nas campanhas eleitorais.

Santiago disse que o comitê exigiu a exibição dessas informações no primeiro turno por meio de ofícios. “O presidente do TRE ficou de sanar esses problemas no segundo turno”, disse.

As declarações foram concedidas, na tarde desta sexta-feira (11), quando membros do comitê se reuniram na sede da Cúria Metropolitana da Arquidiocese de Manaus, na Avenida Joaquim Nabuco, bairro Centro, na zona sul de Manaus.

Entre os assuntos abordados na reunião, os integrantes do comitê comentaram o índice de abstenções registrado, pelo TRE-AM, nas eleições suplementares, de 24,35%, e mencionaram o ‘desencantamento’ dos eleitores com a política. Sobre o assunto, o arcebispo de Manaus, Dom Sérgio Castriani, aconselhou os eleitores a comparecerem às urnas eleitorais. “Quem se abstém do processo (eleitoral) fica nas mãos de outras pessoas e os outros governam sem nossa participação. É importante votar em candidatos ficha limpa”, disse o líder religioso.

O Comitê de Combate à Corrupção e ao Caixa Dois no Amazonas é uma entidade de representação da sociedade civil, coordenado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Conselho Federal de Contabilidade (CRC-AM), Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Sindicato dos Fazendários do Amazonas, Conselho Federal de Economia (Cofecon). O Comitê está vinculado ao Movimento Nacional de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE).